14:01 18 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Dilma cumprimenta Cristina Kirchner, no Itamaraty

    Kirchner: 'integração regional não teve forças para impedir a deposição de Dilma'

    Lula Marques/ Agência PT
    Américas
    URL curta
    623

    A ex-presidenta da Argentina, Cristina Kirchner, ressaltou nesta quinta-feira a importância do eixo Argentina-Brasil, quando governos progressistas comandavam ambas as nações, mas reconheceu que a integração regional não teve "forças suficientes" para impedir a deposição de Dilma Rousseff e advertiu para uma “restauração conservadora" na região

    "É evidente que o eixo formado por Brasil e Argentina em toda a nossa história tem sido significativo e relevante para imprimir o seu ritmo para a região, (mas) essa relação de forças não teve força suficiente para evitar, por exemplo, a deposição de Dilma Rousseff, que aconteceu sob o disfarce de um processo parlamentar", disse Cristina Kirchner durante seu discurso no III Encontro Latino-americano Progressista (ELAP).

    A ex-presidenta também disse que os governos progressistas "foram capazes de construir uma unidade e integração em tempos difíceis vividos por Bolívia e Equador, que permitiu neutralizar processos desencadeados por movimentos que queriam destituir os presidentes” desses países.

    A política destacou que o seu marido, falecido Nestor Kircher, e o ex-presidente Lula, pagaram as respectivas dívidas externas "e nunca permitiram que o FMI supervisionasse as políticas do nosso país".

    No entanto, advertiu Kirchner, “precisamos perceber que o neoliberalismo está criando um novo tipo de sujeito social, através do qual implementa suas políticas, nas quais os movimentos sociais e democráticos pretendem ser esquecidos”.

    Mais:

    Cristina Kirchner: 'Queriam para mim um fim igual ao de Dilma'
    Cristina Kirchner: América Latina está recuando politicamente
    Morales diz ser aprendiz de Fidel, Chávez, Lula e Kirchner
    Cristina Kirchner volta à cena política e pede mobilização
    Tags:
    cooperação regional, cooperação multilateral, ELAP 2016, Dilma Rousseff, Cristina Kirchner, América do Sul, Argentina, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik