01:19 23 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    A bandeira nacional dos EUA voa sobre o Departamento de Estado em Washington 24 de marco de 2015

    The Nation: EUA se sentem 'insultados' por Rússia criar obstáculos à sua ordem mundial

    © REUTERS/ Yuri Gripas
    Américas
    URL curta
    455835523

    A cooperação entre Moscou e Washington é uma questão que representa interesse para os EUA, mas o "partido da guerra" americano impede essa cooperação.

    Segundo o editor-chefe do jornal The Nation, Stephen Cohen, este "partido da guerra" é representado pelo Pentágono, Departamento de Estado, Congresso Nacional e diversos mídia. Este grupo influencia mesmo o presidente na escolha do rumo para a política externa.

    De acordo com o jornalista, os EUA não podem cooperar com a Rússia devido a "algumas considerações". Entre elas está "a resistência de Vladimir Putin à ordem mundial não conservantista que os EUA tentam instalar".

    "Além disso, a Rússia recuperou o seu estatuto de grande potência no palco internacional, 20 anos depois do colapso da União Soviética, o que contraria e até mesmo insulta a aspiração dos EUA para estabelecerem sua ordem mundial. Portanto, qualquer cooperação com a Rússia, na opinião deles, confirma 'o renascimento da Rússia', e é isso que irrita 'o partido da guerra' americano", escreve Cohen.

    É precisamente isso, de acordo com o autor, que impede a estabelecimento de paz na Ucrânia, que se tornou "o epicentro de uma nova Guerra Fria". Os governos europeus, que apoiaram por uma vez incondicionalmente as autoridades de Kiev, especialmente a Alemanha e França, estão cansados do fato de o presidente ucraniano, Pyotr Poroshenko, não cumprir os acordos de Minsk.

    O "projeto ucraniano" para quebrar os laços históricos entre a Rússia e a Ucrânia foi preparado em Washington. "E é precisamente por isso que assistimos aqui (em Washington) às últimas tentativas de salvar Poroshenko e todo esse projeto", conclui Cohen.

    Mais:

    Mídia divulga termos do acordo entre Rússia e EUA sobre Síria
    Enviado da ONU: Rússia e EUA não desistiram do cessar-fogo na Síria
    Parlamentares americanos acusam Rússia de tentar influenciar eleições nos EUA
    Tags:
    potência, Acordos de Minsk, Congresso dos EUA, Departamento de Estado dos EUA, Pentágono, Stephen Cohen, Pyotr Poroshenko, Europa, Ucrânia, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik