10:50 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Hillary Clinton, pré-candidata à presidência dos EUA

    The Wall Street Journal atribui parte da culpa pelo caos no mundo a Hillary Clinton

    © REUTERS / Brendan McDermid
    Américas
    URL curta
    11141

    A candidata presidencial dos democratas Hillary Clinton é talvez um dos candidatos com maior experiência no domínio da segurança nacional na história dos EUA, mas ela é responsável por conflitos e crises militares, que abrangem atualmente vários países do mundo, escreve a mídia norte-americana.

    "Obama gosta de assinalar que Hillary Clinton tem uma vasta experiência no domínio da segurança nacional, <…> ela carrega parte da responsabilidade pela desordem global que se desencadeou durante o governo Obama", divulga o The Wall Street Journal.

    Entre os destaques da política externa de Clinton o autor do artigo mencionou o "reiniciar" das relações com a Rússia, bem como o trabalho para alcançar um compromisso sobre o programa nuclear iraniano.

    No entanto, as relações com a Rússia desde aquele tempo se deterioraram, e Teerã já ameaçou não cumprir o acordo nuclear em caso de intervenção dos EUA nos assuntos internos do Irã, nota o jornal.

    Além disso, Clinton defendeu a intervenção na Líbia, o que mergulhou o país no caos, observa o artigo. Ela também se manifestou em prol da campanha na Síria, mas recentemente mudou seu ponto de vista, dizendo que ela é contra a colocação de qualquer quantidade de tropas terrestres no país.

    "Sem dúvida, ela sabe certamente que as tropas terrestres e forças especiais americanas já estão na Síria", conclui ironicamente o The Wall Street Journal.

    Mais:

    Golpe 'made in USA': Queda de Dilma foi ordenada por Wall Street?
    Wall Street Journal explica quem recuperou a economia russa
    Moniz Bandeira sobre o impeachment: O Brasil está na mira de Wall Street
    Tags:
    eleições presidenciais, interação, The Wall Street Journal, Barack Obama, Hillary Clinton, Líbia, Síria, Irã, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar