16:41 18 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    A ex-presidenta da Argentina, Cristina Kirchner, em sua casa na cidade de El Calafate, no sul da Argentina

    Ex-presidenta da Argentina era um bot pornô?

    © Foto: Estanislao Santos/Instituto PATRIA
    Américas
    URL curta
    12121

    Durante mais de um ano um programa automatizado fingiu ser a ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner, usando a conta @cfkresponde no Twitter, que tem mais de 8000 curtidas.

    A Agência Sputnik Mundo entrevistou Roni Bandini, o escritor, jornalista e programador argentino que é o autor deste experimento tecnológico.

    "No fim dos anos 90, eu e um amigo meu designer, criámos um site de chat pornô. Não tínhamos dinheiro para contratar mulheres reais, por isso eu desenvolvi um bot para simulação de conversações. O site não teve sucesso e eu esqueci isso durante um longo tempo", explica Bandini.

    Mas, no ano passado, o programador decidiu tentar ligar o bot a uma conta no Twitter. Este bot combina a tecnologia de bot para chats com a tecnologia avançada de processamento de bases de dados e gerenciamento de informação.

    "Eu fiquei muito surpreendido quando percebi que as pessoas não compreendem nada. Alguns julgam que é a verdadeira Cristina Kirchner, outros que a conta pertence aos assessores de Kirchner. Mas a maioria percebe que a conta é de imitação, como muitas outras contas no Twitter. Mas quase ninguém descobriu que era um bot, e ninguém se queixou sobre isso."

    O escritor vê uma ironia nesta situação, a tecnologia avançada ajuda um bot desenvolvido 20 anos atrás parecer a ex-lider do país.

    Até hoje, o autor não recebeu nenhuma demanda para excluir a conta. O bot continua trabalhando e respondendo aos usuários.

    Mais:

    Cristina Kirchner: América Latina está recuando politicamente
    Bens de Cristina Kirchner são embargados por juiz argentino
    Imóveis de Cristina Kirchner são invadidos pela polícia na Argentina
    Tags:
    pornô, chatbot, Twitter, Cristina Kirchner, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik