01:49 20 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Alunos da Universidade George Washington reúnem para a cerimônia de fraduação no National Mall em Washington (foto de arquivo. Maio, 20, 2012)

    Universidade americana contrata ex-recrutador da Al-Qaeda

    © REUTERS / Jonathan Ernst/Files
    Américas
    URL curta
    202

    A Universidade George Washington tem um novo especialista em assuntos de segurança nacional – Jesse Morton, ex-recrutador da organização terrorista Al-Qaeda.

    O vice-diretor do Programa de Extremismo do Centro da Segurança Cibernética e Segurança Nacional da universidade afirmou que Jesse Morton, conhecido antes como Younus Abdullah Muhammad, traz uma "perspectiva única" para o trabalho de combate ao terrorismo, cita o canal televisivo CNN.

    "Ainda não descobrimos como alcançar aquele indivíduo que está indo no caminho da radicalização," disse Hughes. "Jesse estava nesse mundo e saiu desse mundo".

    Segundo o CNN, antes de tomar a decisão de contratação, a universidade o discutiu com a Agência Federal de Investigação (FBI), serviços de segurança e os advogados que processaram Morton.

    O representante da universidade frisou que confia no ex-jihadista. 

    Orton, de 37 anos de idade, tinha sido radicalizado na prisão onde se encontrava por um crime relacionado com drogas. Depois, ele viajou para Marrocos, onde foi detido e extraditado aos EUA. Ele foi condenado em 2012 a mais de 11 anos de prisão.

    Lá ele passava tempo na biblioteca, onde leu as obras dos filósofos Jean-Jacques Rousseau e John Locke, Thomas Paine, o que lhe permitiu "voltar a identificar a cultura e a civilização ocidentais". Tendo sido libertado em 2015, Morton trabalhou com o FBI em "casos que têm suscitado o interesse do púbico e da mídia".

    Mais:

    O escândalo que pode pôr fim à campanha de Hillary Clinton
    Filho de Osama bin Laden prometeu vingança contra EUA pela morte do pai
    Osama bin Laden foi eliminado graças à CIA... Ou não?
    Tags:
    Al-Qaeda, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik