18:31 23 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Departamento de Estado dos EUA.

    EUA reconhecem que pagaram para liberar cidadãos americanos do Irã

    © Sputnik/
    Américas
    URL curta
    349621

    O governo dos EUA reconheceu pela primeira vez que o pagamento ao Irã de $ 400 milhões estava relacionado com a liberação de vários cidadãos norte-americanos de prisões iranianas.

    "Agora todos sabem que pagámos ao Irã seus $ 400 milhões como parte do acordo alcançado", declarou o porta-voz do Departamento de Estado John Kirby.

    O The Wall Street Journal relatou anteriormente que representantes da administração dos Estados Unidos não tinham permitido que as autoridades iranianas recebessem o dinheiro até que uma aeronave, com três dos quatro cidadãos dos EUA liberados, decolasse de Teerã. O quarto norte-americano deixou o Irã pouco depois.

    "Tivemos preocupações de que o Irã poderia se retirar da troca de prisioneiros, então é claro que tentámos conservar em nossas mãos o máximo de instrumentos de pressão até à liberação dos cidadãos norte-americanos", informou John Kirby.

    O canal de televisão Fox News assinalou várias vezes que antes o mesmo Kirby tinha repetidamente negado a ligação entre os dois eventos. Em particular, ele chamou de "absolutamente falsas as mensagens sobre uma conexão entre o pagamento ao Irã e a liberação de prisioneiros".

    Washington e Teerã realizaram em 17 de janeiro deste ano uma troca de um grande grupo de prisioneiros. Além disso, os EUA devolveram $ 400 milhões ao Irã, que foram pagos pelo Irã aos próprios EUA em 1979 em um contrato sobre fornecimento de armas. Afinal, o Irã não tinha recebido as armas norte-americanos por causa do derrubamento do xá iraniano em 1978.

    Mais:

    EUA não temem melhoria nas relações ente Rússia e Turquia
    EUA se recusam a comentar transferência de armas da Turquia para Romênia
    EUA: ataques russos não contribuem para paz na Síria
    Tags:
    dinheiro, John Kirby, Irã, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik