Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Ex-premiê australiano critica visita de Pelosi a Taiwan e alerta sobre 'consequências catastróficas'

© AFP 2022 / Torsten Blackwood Ex-primeiro-ministro australiano Paul Keating na cerimônia de lançamento do seu livro, Casa da Ópera de Sydney, 10 de agosto de 2006
Ex-primeiro-ministro australiano Paul Keating na cerimônia de lançamento do seu livro, Casa da Ópera de Sydney, 10 de agosto de 2006 - Sputnik Brasil, 1920, 25.07.2022
Nos siga noTelegram
Ex-primeiro-ministro australiano Paul Keating criticou a presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, por ter planejado liderar a delegação norte-americana durante a visita a Taiwan no próximo mês, avisando que tal passo pode acarretar "consequências catastróficas" para a segurança na região e em todo o mundo.
A visita de Nancy Pelosi a Taiwan, prevista para o mês que vem, pode ser a viagem da mais alta delegação norte-americana à ilha autogovernada ao longo dos últimos 25 anos.
No âmbito da política de Uma Só China, Pequim se manifesta contra quaisquer formas de contatos oficiais entre Taiwan e governos estrangeiros, tendo avisado os EUA que tomaria "medidas resolutas" caso a visita de Pelosi seja realizada.
Em uma declaração publicada por Keating, que é também ex-líder do Partido Trabalhista australiano, Pelosi é chamada de "terceira personalidade mais importante" na política norte-americana. Além disso, salienta-se que Pelosi, segundo a mídia australiana, persiste em realizar a visita, apesar dos conselhos contrários dos funcionários da administração Biden.

"Ao longo do espectro político inteiro, não há nenhum observador das relações entre a China [continental] e Taiwan que duvide que tal visita da presidente do Congresso norte-americano possa se transformar em combates militares", destacou Keating.

A presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, realiza sua coletiva de imprensa semanal no Capitólio dos EUA em 21 de julho de 2022 em Washington - Sputnik Brasil, 1920, 23.07.2022
Panorama internacional
China reitera alerta aos EUA sobre viagem de Pelosi e cita resposta militar, diz Financial Times
O ex-líder australiano lembrou que Washington e os seus parceiros regionais, tais como Camberra, ao longo de muitos anos que têm optado pela "única opção viável disponível nas relações através do estreito", que prevê que Pequim e Taipé "giram a situação" por meios pacíficos.
"A visita de Pelosi ameaça destruir tudo o que havia antes", diz a declaração.
Embora Pelosi ainda não tenha confirmado a visita oficialmente (pela primeira vez a visita foi anunciada pelo Financial Times), na semana passada a política norte-americana afirmou que "para nós é importante demonstrar apoio a Taiwan".
As críticas firmes de Keating foram publicadas também em resposta às preocupações de Joe Biden sobre a visita de Pelosi, que ele tinha pronunciado há alguns dias. "Os militares não acreditam que seja uma boa ideia neste momento", afirmou Biden aos jornalistas na semana passada.
A presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, fala à imprensa, em 3 de março de 2020, no Capitólio, em Washington - Sputnik Brasil, 1920, 22.07.2022
Panorama internacional
Aviso da China chega a Washington: até Pentágono se opôs à visita de Pelosi a Taiwan
O Ministério das Relações Exteriores chinês tem declarado várias vezes, ao longo da última semana, que a viagem de Pelosi, caso seja realizada, vai acarretar "um sério impacto negativo sobre a base política das relações entre os Estados Unidos e a China", enviando "uma mensagem absolutamente incorreta às forças separatistas [que se manifestam] a favor da independência de Taiwan".
Pequim também reiterou na semana passada a sua rejeição à Lei sobre as Relações com Taiwan, que, de acordo com Washington, determina sua política de Uma Só China, além dos três comunicados conjuntos já existentes e seis garantias oficiais.
"A chamada 'Lei sobre as Relações com Taiwan' é uma legislação interna adotada pelos Estados Unidos unilateralmente [...] A China nunca reconheceu essa lei e sempre a rejeitou", disse na semana passada o representante oficial da diplomacia chinesa, Zhao Lijian.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала