Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA afirma: China está mais agressiva no Pacífico Sul

© AP Photo / James VazquezNesta foto fornecida pela Marinha dos EUA, o USS John S. McCain conduz uma patrulha no Mar da China Meridional enquanto apoia os esforços de segurança na região, em 22 de janeiro de 2017
Nesta foto fornecida pela Marinha dos EUA, o USS John S. McCain conduz uma patrulha no Mar da China Meridional enquanto apoia os esforços de segurança na região, em 22 de janeiro de 2017 - Sputnik Brasil, 1920, 24.07.2022
Nos siga noTelegram
A tensão de Washington e Pequim tem aumentado nos últimos anos, à medida que os EUA aumentam suas chamadas missões de "liberdade de navegação" no mar do Sul da China, que Pequim considera parte de suas águas territoriais.
O presidente do Estado-Maior Conjunto dos EUA, general Mark Milley, afirmou que a China começou a agir de forma cada vez mais agressiva no Pacífico Sul.
"As Forças Armadas chinesas, no ar e no mar, tornaram-se mais significativa e mais visivelmente agressivas nesta região em particular", afirmou Milley durante um discurso em sua visita à Indonésia.
O general observou que o número de "interações não seguras" entre os militares chineses que guardam as águas, que consideram parte do território de seu país, e os navios da Marinha dos EUA, que navegam nessas águas, aumentou significativamente ao longo do tempo. Milley não detalhou se os EUA planejam alterar sua conduta na região como resultado.
Pequim exigiu repetidamente que os EUA parem de enviar seus navios de guerra ao mar do Sul da China sob o pretexto de missões de "liberdade de navegação", alertando que um incidente no mar pode levar a um confronto armado entre os dois países um dia. Esses alertas, no entanto, não tem encontrado eco em Washington.
Grupo liderado por porta-aviões Ronald Reagan dos EUA, com participação do Japão e do Canadá, durante os exercícios navais Keen Sword 21, mar das Filipinas, 26 de outubro de 2020 - Sputnik Brasil, 1920, 14.07.2022
Panorama internacional
EUA afirmam que vão defender Filipinas em caso de ataque armado no mar do Sul da China
A viagem de Milley ocorre no momento em que os EUA buscam aumentar a cooperação com aliados regionais, como a Austrália, que recentemente assinou um pacto de segurança com o Reino Unido e os EUA em meio aos protestos de Pequim. O pacto vai permitir que os EUA e o Reino Unido equipem a Austrália com submarinos nucleares, que a China considera uma violação dos princípios de não proliferação e do direito internacional.
A preocupação mais recente dos EUA com a China está relacionada à assinatura de um pacto de segurança entre Pequim e as Ilhas Salomão, que Washington acredita poder fornecer ao gigante asiático um novo ponto de apoio militar no Pacífico. No entanto, os parâmetros exatos do acordo permanecem desconhecidos no momento.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала