Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Prefeito de pequena região da França afirma que país recebeu mais de 100 mil refugiados ucranianos

© Sputnik / Aleksei Vitvitsky / Abrir o banco de imagensRefugiados ucranianos no posto de fronteira de Medyka–Shegini, na Polônia, em 26 de fevereiro de 2022
Refugiados ucranianos no posto de fronteira de Medyka–Shegini, na Polônia, em 26 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 03.07.2022
Nos siga noTelegram
A França aceitou mais de 100 mil refugiados ucranianos, disse o prefeito de Alto Marne, Joseph Zimet, que lidera a unidade interministerial de crise, neste domingo (3).

"Atravessamos o limite de 100 mil ucranianos hospedados na França. Nós éramos inicialmente um país de trânsito, em particular para a Espanha, que abriu seu mercado de trabalho aos ucranianos há alguns anos, enquanto a França, antes da guerra, mantinha apenas 19 mil ucranianos", disse Zimet ao jornal Le Monde neste domingo (3).

Ele citou um estudo da Agência da União Europeia para o Asilo afirmando que 84% dos imigrantes da Ucrânia não pretendem retornar à sua terra natal.
O ministro do Interior francês, Gérald Darmanin, disse em março que seu país estava trabalhando para receber pelo menos 100 mil refugiados da Ucrânia.
O diretor do Serviço de Inteligência Externa da Rússia (SVR), Sergei Naryshkin - Sputnik Brasil, 1920, 03.07.2022
Panorama internacional
Polônia inicia atividades para desmembrar Ucrânia com aprovação de Kiev, diz inteligência russa
No mês passado, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que ao longo da crise na Ucrânia 7,5 milhões de refugiados ucranianos chegaram à União Europeia (UE) e 3 milhões estariam na zona do bloco.
A Rússia iniciou sua operação militar especial na Ucrânia em 24 de fevereiro, com o objetivo de "desmilitarizar e desnazificar" o país vizinho, após as repúblicas populares de Donetsk (RPD) e Lugansk (RPL) pedirem ajuda para se defenderem da intensificação dos ataques ucranianos.
Segundo o Ministério da Defesa russo, somente a infraestrutura militar ucraniana está sendo visada. Moscou já reiterou, por diversas vezes, que não tem planos de ocupar o país.
Em retaliação à operação, os EUA, a UE e seus aliados iniciaram a aplicação de sanções contra Moscou. Entre as medidas estão restrições econômicas às reservas internacionais russas e a suas exportações de petróleo, gás, aço e ferro.
Reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU), 28 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 01.07.2022
Panorama internacional
Conflito na Ucrânia não será o foco do Brasil no Conselho de Segurança da ONU, diz especialista
A escalada de sanções impostas pelo Ocidente transformou a Rússia, de forma disparada, na nação mais sancionada do mundo, segundo a plataforma Castellum.ai, serviço de rastreamento de restrições econômicas no mundo.
No total, estão em vigor 10.920 medidas restritivas contra a Rússia, segundo os cálculos do site. A quantidade é mais que o triplo das 3.637 sanções impostas pelo Ocidente ao Irã. Na sequência, aparecem a Síria (2.614), a Coreia do Norte (2.111), Belarus (1.133), a Venezuela (651) e Mianmar (567).
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала