Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Casa Branca duvida que Ucrânia consiga reconquistar territórios perdidos, diz CNN

© Sputnik / STRINGER / Abrir o banco de imagensPresidente norte-americano, Joe Biden, com a primeira-ministra sueca, Magdalena Andersson, e o presidente finlandês, Sauli Niinisto, durante declaração conjunta para a imprensa após reunião na Casa Branca
Presidente norte-americano, Joe Biden, com a primeira-ministra sueca, Magdalena Andersson, e o presidente finlandês, Sauli Niinisto, durante declaração conjunta para a imprensa após reunião na Casa Branca - Sputnik Brasil, 1920, 28.06.2022
Nos siga noTelegram
O governo norte-americano duvida cada vez mais que a Ucrânia volte a controlar os territórios perdidos desde o início da operação militar especial russa, comunicou a emissora CNN.
Segundo a mídia, os assessores do presidente dos EUA, Joe Biden, debatem se é necessário que a Ucrânia reconheça que deve "ceder seus territórios a Donetsk e Lugansk" para pôr fim ao conflito que se desencadeou em 2014 e se agravou em fevereiro deste ano.
Um alto funcionário do Congresso, segundo o canal, considera que a perda do território por parte da Ucrânia é inevitável. Supõe que a possibilidade de Kiev conseguir reconquistar os territórios depende do fornecimento à Ucrânia de armas norte-americanas.
Anteriormente, o deputado canadense Yvan Baker, membro do Partido Liberal, afirmou ao canal de televisão Ukraina 24 que os países ocidentais estavam se cansando tanto da Ucrânia, que chegaram a solicitar ao presidente ucraniano Vladimir Zelensky a ceder uma parte do território do país a Donetsk e Lugansk.
Seguindo a linha, vários altos funcionários na África, Ásia e Oriente Médio pediram à Ucrânia para que deixasse de resistir, de acordo com o ministro das Relações Exteriores ucraniano, Dmitry Kuleba.
A Rússia iniciou uma operação militar especial em 24 de fevereiro em resposta aos pedidos de assistência das repúblicas populares de Donetsk e Lugansk para defesa dos bombardeamentos ucranianos.
Primeiro-ministro da Itália, Mario Draghi, o chanceler alemão, Olaf Scholz, o presidente da Ucrânia, Vladimir Zelensky, o presidente da França, Emmanuel Macron, e o presidente da Romênia, Klaus Iohannis, durante reunião em Kiev, 16 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 21.06.2022
Panorama internacional
Le Figaro: França, Alemanha e Itália defendem concessões territoriais da Ucrânia a favor da Rússia
Donetsk e Lugansk declararam independência da Ucrânia em maio de 2014 por não terem reconhecido as novas autoridades, que chegaram ao poder depois do golpe de Estado realizado em Kiev em fevereiro do mesmo ano.
Em fevereiro de 2022, a Rússia reconheceu a independência das repúblicas de Donetsk e Lugansk e declarou o início de uma operação militar, cujo objetivo é "salvar as pessoas que ao longo de oito anos têm sofrido genocídio por parte do regime de Kiev", segundo o presidente russo Vladimir Putin.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала