Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Analista norte-americana diz que EUA 'cruzaram a linha' e participam de fato do conflito na Ucrânia

© Sputnik / STRINGER / Abrir o banco de imagensPresidente norte-americano Joe Biden junto com primeira-ministra sueca Magdalena Andersson e presidente finlandês Sauli Niinisto durante declaração conjunta para imprensa após reunião na Casa Branca
Presidente norte-americano Joe Biden junto com primeira-ministra sueca Magdalena Andersson e presidente finlandês Sauli Niinisto durante declaração conjunta para imprensa após reunião na Casa Branca  - Sputnik Brasil, 1920, 21.06.2022
Nos siga noTelegram
A ajuda prestada pelos Estados Unidos à Ucrânia implica que Washington já "cruzou a linha" e de fato participa do atual conflito entre Kiev e Moscou, segundo as estimativas de Bonnie Kristian, pesquisadora do laboratório de ideias Defense Priorities, no artigo de opinião para o jornal The New York Times publicado em 20 de junho.
A especialista compara o apoio que a Casa Branca concedeu à coalizão liderada pela Arábia Saudita em março na guerra civil no Iêmen com o papel norte-americano no conflito desencadeado na Ucrânia. Dessa forma, ela sugere que, embora Washington nunca tenha participado formalmente das hostilidades no Iêmen, a coalizão matou "civis com ogivas fabricadas nos Estados Unidos e escolheu objetivos com a assistência norte-americana".
O papel de Washington no conflito no Iêmen tem sido considerado bastante robusto pelos legisladores norte-americanos, com uma maioria bipartidária de senadores em 2019 o tendo caracterizado como uma violação do primeiro artigo da Constituição – que concede ao Congresso o direito de declarar a guerra – e da Resolução de Poderes de Guerra de 1973 que põe limites às ações militares iniciadas pelo presidente.
Último grupo de combatentes do Batalhão Azov neonazista rendido em Azovstal, Mariupol, foto publicada em 20 de maio de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 20.06.2022
Panorama internacional
Jornalista dos EUA publica relato 'desesperador' de mercenário americano na Ucrânia

"Cruzamos a linha no Iêmen, concluíram os legisladores, embora não esteja de todo claro onde está esta linha. O que temos feito no Iêmen se parece muito com o que estamos fazendo na Ucrânia", resumiu Kristian.

"No mínimo, o que os Estados Unidos estão fazendo na Ucrânia não é uma guerra. Se até agora evitamos chamá-la de guerra, e podemos continuar fazendo-o, talvez seja só porque nos tornamos muito inseguros do significado da palavra", destacou no artigo.
Para confirmar a sua argumentação, a analista chamou atenção para as mudanças no discurso oficial da Casa Branca em relação ao conflito na Ucrânia. "Em março o objetivo dos Estados Unidos era ajudar a Ucrânia a se defender, mas em finais de abril o objetivo se transformou em ver a Rússia 'enfraquecida'".
© Sputnik / Mikhail Metzel  / Abrir o banco de imagensVladimir Putin, presidente da Rússia (à direita), e Joe Biden, presidente dos EUA, durante cúpula na Villa La Grange, em Genebra, Suíça, 16 de junho de 2021
Vladimir Putin, presidente da Rússia (à direita), e Joe Biden, presidente dos EUA, durante cúpula na Villa La Grange, em Genebra, Suíça, 16 de junho de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 21.06.2022
Vladimir Putin, presidente da Rússia (à direita), e Joe Biden, presidente dos EUA, durante cúpula na Villa La Grange, em Genebra, Suíça, 16 de junho de 2021
Além disso, a pesquisadora lembra que uma parte considerável do pacote de ajuda de US$ 40 bilhões (R$ 207,5 bilhões) de Washington a Kiev está destinada para o envio do armamento e a entrega de dados de inteligência.
Kristian sublinha que antes se podia determinar de modo mais fácil quando um país participava de um conflito, mas agora "a linha entre o que é guerra e o que não é se desfocou de forma perigosa", parcialmente devido aos avanços tecnológicos, tais como o uso de drones e ataques cibernéticos. Estes equipamentos permitem "cometer o que de outro modo poderia se considerar como atos de guerra", explica.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала