Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

União Europeia pode desmoronar antes da adesão da Ucrânia, diz Medvedev

© Sputnik / Ekaterina ShtukinaDmitry Medvedev, vice-presidente do Conselho de Segurança da Rússia, durante reunião em 7 de abril de 2022
Dmitry Medvedev, vice-presidente do Conselho de Segurança da Rússia, durante reunião em 7 de abril de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 19.06.2022
Nos siga noTelegram
A Comissão Europeia recomendou formalmente na sexta-feira (17) tornar a Ucrânia candidata à adesão à União Europeia (UE), após a rápida revisão das respostas de Kiev ao questionário de adesão preenchido no início deste ano.
O prazo real para a possível entrada da Ucrânia na UE é a década de 2050, mas o bloco econômico e político pode se romper antes disso, é o que acredita o ex-presidente e ex-primeiro-ministro russo Dmitry Medvedev.
"Nós, os filhos da década de 1970, todos esperávamos pela chegada do comunismo. Infelizmente, isso não aconteceu. A União Soviética colapsou, o Partido Comunista da União Soviética foi liquidado", escreveu neste domingo (19) em sua página do Telegram Medvedev, que ingressou no partido na universidade e o deixou em 1991. "A situação relacionada ao prometido início da felicidade global na URSS me lembra os encantamentos feitos pela Comissão Europeia em relação à candidatura da Ucrânia à UE."
"A eles foi prometido. Exatamente, prometido. E a promessa foi feita apenas para [Ucrânia], e nem mesmo para a Geórgia (eu ficaria ofendido no lugar deles, nem mesmo mencionando a Turquia)", acrescentou Medvedev, lembrando o pedido de Ancara para se tornar membro da Comunidade Econômica Europeia – a antecessora da UE – desde 1987.
"Eles prometeram, mas com condições. A Ucrânia deveria se tornar melhor, mais limpa, menos corrupta, mais desenvolvida, esclarecida, mais inteligente. [A chefe da Comissão Europeia] tia Ursula [von der Leyen] chegou a dizer que os ucranianos estão morrendo pela adesão à UE", escreveu o ex-presidente, que agora atua como vice-presidente do Conselho de Segurança da Rússia.
A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, ao centro, e o Comissário Europeu para Vizinhança e Alargamento Oliver Varhelyi, à esquerda, antes de uma conferência de imprensa após uma reunião do Colégio de Comissários na sede da UE em Bruxelas, 17 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 17.06.2022
Panorama internacional
Comissão Europeia emite parecer favorável à entrada da Ucrânia na UE para Kiev 'viver sonho europeu'
"Depois será como com a construção do comunismo. A data ainda não foi definida. Mas há muitas condições abstratas não verificáveis. Sua verificação objetiva é impossível. Elas serão verificadas por décadas e por novas gerações de líderes da UE. Portanto, o prazo real é meados do século, não antes", escreveu Medvedev.
A autoridade chegou a projetar que o destino da URSS podia atingir a UE.
"É possível que o comunismo já tivesse chegado se a URSS tivesse sido preservada. Mas a união, infelizmente, morreu. Vocês entendem o que estou insinuando? P.S. Talvez (batendo na madeira) a UE desapareça até essa altura? É assustador pensar que escândalo isso seria, dado os sacrifícios que foram feitos no altar da adesão à UE, e que decepção seria para as expectativas dos infelizes ucranianos", concluiu Medvedev.
Durante sua presidência e grande parte do tempo como primeiro-ministro, Dmitry Medvedev foi um dos maiores defensores da melhoria das relações da Rússia com o Ocidente, adotando padrões ocidentais em educação, sistema judicial, negócios, indústria, etc., e era visto por observadores políticos como o líder da ala liberal do partido governante Rússia Unida. No entanto, com o início da crise ucraniana, suas posições públicas mudaram gradualmente para uma hostilidade aberta ao Ocidente, especialmente depois que o visto americano de seu filho foi revogado.
O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, reage ao se encontrar com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, em Downing Street, Londres, 13 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 14.06.2022
Panorama internacional
Premiê português afirma que UE corre risco de criar 'falsas expectativas' com candidatura da Ucrânia
Na sexta-feira (17), o braço executivo da União Europeia recomendou formalmente que a Ucrânia receba o status de candidato ao bloco, apesar das preocupações pendentes sobre corrupção, Estado de direito, governança, democracia, a influência desmedida dos ultrarricos na economia e na política, pobreza generalizada, nacionalismo e a atual crise militar com a Rússia.
"Todos nós sabemos que os ucranianos estão prontos para morrer pela perspectiva europeia. Queremos que eles vivam conosco pelo sonho europeu", disse a presidente da comissão, von der Leyen.
A Ucrânia solicitou oficialmente o status de candidato à UE ainda em fevereiro.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала