Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Acordo de Minsk foi usado para ganhar tempo, admite ex-presidente ucraniano

© AP Photo / Piotr MoleckiO ex-presidente ucraniano Pyotr Poroshenko conversa com jornalistas em Varsóvia, na Polônia, em 16 de janeiro de 2021
O ex-presidente ucraniano Pyotr Poroshenko conversa com jornalistas em Varsóvia, na Polônia, em 16 de janeiro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 17.06.2022
Nos siga noTelegram
Pyotr Poroshenko admitiu que o cessar-fogo de 2015 em Donbass, negociado com a Rússia, França e Alemanha quando ele era presidente da Ucrânia, foi apenas uma distração para ganhar tempo a fim de Kiev reforçar seu Exército.
O ex-presidente, falando à emissora alemã Deutsche Welle e a outras mídias, defendeu as ações tomadas durante sua presidência entre 2014 e 2019
"Nós conseguimos tudo o que queríamos [...] Nosso objetivo era, primeiro, acabar com a ameaça, ou pelo menos atrasar a guerra – para garantir oito anos de recuperação e crescimento econômico, além de criar um Exército poderoso", declarou Poroshenko.
Inspirado em Sun Tzu, Poroshenko afirmou que vencer uma guerra não requer necessariamente vencer combates militares, definindo o acordo feito por ele como uma grande vitória da Ucrânia.
Nas eleições, Poroshenko sofreu uma derrota esmagadora para Vladimir Zelensky, que havia prometido aos eleitores que, ao contrário de seu antecessor, garantiria a paz em Donbass.
Presidente ucraniano, Vladimir Zelensky responde a perguntas da mídia durante coletiva de imprensa em um metrô sob uma praça central em Kiev, Ucrânia, 23 de abril de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 14.06.2022
Panorama internacional
Zelensky reconhece perdas 'dolorosas' de tropas ucranianas
O ex-presidente ainda confirmou que Kiev não chegou às negociações de boa fé, mas sim com a intenção apenas de ganhar tempo após sofrer uma derrota militar.
Ainda assim, Poroshenko pediu ao Ocidente que forneça mais armas pesadas e mais poderosas a Kiev, para que os militares ucranianos possam "fazer o trabalho [do Ocidente]" e defender a Europa da Rússia, bem como mais sanções contra os russos e que a Ucrânia seja aceita pela UE e OTAN o mais rápido possível.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала