Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Macron pede à Ucrânia que retome negociações com a Rússia

© AFP 2022 / DANIEL MIHAILESCUO presidente francês Emmanuel Macron respondendo às perguntas dos jornalistas durante uma visita à Base Aérea Mihail Kogalniceanu, perto da cidade de Constanta, Romênia, 15 de junho de 2022
O presidente francês Emmanuel Macron respondendo às perguntas dos jornalistas durante uma visita à Base Aérea Mihail Kogalniceanu, perto da cidade de Constanta, Romênia, 15 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 15.06.2022
Nos siga noTelegram
Oferecendo-se para mediar os diálogos de paz, o presidente francês disse que Zelensky "vai ter que negociar com a Rússia" no futuro.
Nesta quarta-feira (15), o presidente francês, Emmanuel Macron, ofereceu a mediação europeia no processo de negociação entre Rússia e Ucrânia, afirmando que seu colega ucraniano, Vladimir Zelensky, vai ter que reiniciar as negociações em algum momento.
"Queremos a paz, o que significa que, quando chegarmos a um cessar-fogo, as discussões devem ser retomadas", disse o líder francês durante visita à Romênia.
"O presidente ucraniano vai ter de negociar com a Rússia, e nós, europeus, estaremos presentes nessa mesa para oferecer garantias de segurança", acrescentou Macron, falando ao lado de seu colega romeno, Klaus Iohannis.
A visita de Macron incluiu reuniões com líderes políticos e com tropas francesas enviadas para a base militar de Mihail Kogalniceanu como parte do reforço da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) no flanco do Leste da Europa. Ele elogiou a presença dos 500 soldados franceses como uma "clara mensagem de compromisso" com a política do bloco durante um discurso na base.
Bandeira da Ucrânia ondulando em Stoyanka, a oeste de Kiev, 4 de março de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 15.06.2022
Panorama internacional
Tenente-coronel americano: 'não há nenhum caminho racional para a Ucrânia vencer'
A OTAN aumentou a presença de tropas no Leste da Europa, alegando que isso era necessário para impedir um suposto ataque da Rússia. Moscou vê a atitude como uma confirmação da hostilidade do bloco em relação à Rússia e uma invasão de suas fronteiras.
Durante a entrevista coletiva com Iohannis, Macron reiterou que a hostilidade prolongada com a Rússia não era uma solução viável de longo prazo para a segurança europeia.
"Nós, europeus, compartilhamos um continente com a Rússia, e a geografia é teimosa. A Rússia está aqui hoje, vai estar aqui amanhã e esteve aqui ontem", disse ele.
A visita de Macron à Romênia pode ser seguida de uma viagem à Ucrânia, durante a qual ele deve se juntar ao chanceler alemão Olaf Scholz e ao primeiro-ministro italiano Mario Draghi. A viagem não foi oficialmente confirmada, mas foi amplamente divulgada.
À esquerda, o presidente francês Emmanuel Macron e o chanceler alemão Olaf Scholz antes de uma reunião na chancelaria em Berlim, Alemanha, 9 de maio de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 13.06.2022
Panorama internacional
Líderes das 3 maiores nações da União Europeia vão se reunir em Kiev, diz mídia italiana
A Ucrânia realizou várias rodadas de conversação com a Rússia, durante as quais foram feitos alguns progressos na formulação de um possível acordo de paz. Kiev prometeu manter um status neutro e abster-se de cooperação militar com a OTAN em troca de obter garantias de segurança das principais potências mundiais, incluindo a Rússia.
As negociações foram interrompidas depois que a Ucrânia acusou tropas russas de cometer crimes de guerra na cidade de Bucha, perto de Kiev. O presidente Vladimir Zelensky afirmou que seu povo não apoiaria nenhum acordo de paz com Moscou devido às supostas atrocidades, que a Rússia nega ter cometido.
Zelensky afirmou que, em vez de buscar um compromisso, a Ucrânia vai vencer a luta contra a Rússia no campo de batalha com a ajuda de armas estrangeiras despejadas na Ucrânia pelos EUA e seus aliados. Autoridades ucranianas culparam o Ocidente e seu ritmo lento do envio de armamento militar pela contínua perda de território para as forças russas, bem como pelo alto número de baixas que a Ucrânia tem sofrido nos combates.
Moscou destacou que mudanças bruscas em questões tão sérias quanto guerra e paz têm sido uma marca do mandato de Zelensky, quer como presidente, quer antes de ser eleito. O Kremlin também disse que as nações ocidentais estão alimentando o conflito em vez de encorajar Kiev a buscar uma solução pacífica para ele.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала