Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Ex-dirigente da OTAN propõe 'Artigo 5º' econômico contra 'coerção' por parte da Rússia e da China

© AFP 2022 / Philip Davali / Ritzau ScanpixAnders Fogh Rasmussen, ex-secretário-geral da OTAN, fundador e presidente da Fundação da Aliança das Democracias, fala durante Cúpula da Democracia de Copenhague em Copenhague, Dinamarca, 10 de junho de 2022
Anders Fogh Rasmussen, ex-secretário-geral da OTAN, fundador e presidente da Fundação da Aliança das Democracias, fala durante Cúpula da Democracia de Copenhague em Copenhague, Dinamarca, 10 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 11.06.2022
Nos siga noTelegram
Anders Rasmussen, secretário-geral da OTAN entre 2009 e 2014, pretende criar um novo instrumento de "dissuasão" contra a "coerção autoritária" por parte da Rússia e China e disse que a proposta foi vista por funcionários em Washington e Bruxelas.
As democracias do mundo precisam criar uma versão econômica do Artigo 5º da OTAN sobre defesa mútua militar para se defenderem da agressão de "valentões" econômicos como a Rússia e a China, sugeriu na quinta-feira (9) Anders Rasmussen, ex-secretário-geral da OTAN (2009-2014).
" [...] Propomos um Artigo 5º Econômico entre as democracias para combater a coerção autoritária. Nossa proposta é inspirada no Artigo 5 da OTAN, que estabelece que um ataque militar a um aliado é considerado um ataque a todos. O objetivo é obter a mesma dissuasão e solidariedade na área econômica entre as democracias que a OTAN obtém na área da segurança", sugeriu Rasmussen.
"Os valentões respondem à força e exploram a fraqueza. A possibilidade de uma resposta coordenada os faria pensar duas vezes antes de agir", escreveu Rasmussen em um texto publicado pelo Conselho de Chicago sobre Assuntos Globais, um think tank neoliberal, e escrito em conjunto com Ivo Daalder, ex-embaixador dos EUA na OTAN e presidente do think tank.
Secretário-geral da OTAN Jens Stoltenberg fala com jornalistas à chegada para a cúpula da OTAN em Bruxelas, 14 de junho de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 30.05.2022
Panorama internacional
OTAN aumentará sua defesa em todo território, não apenas no flanco oriental, diz Stoltenberg
Segundo o texto, o mecanismo econômico poderia operar como uma "aliança de democracias" em forma de reuniões e acordos, possivelmente através do formato da Cúpula pela Democracia de Washington, para "assegurar o apoio conjunto a outras democracias" no caso de "coerção econômica por uma autocracia" e a criação de linhas alternativas "democráticas" de crédito e cadeias de abastecimento para ajudar as empresas a suavizar os danos de retirada de grandes mercados "autocráticos".
Os EUA e seus aliados têm sido acusados durante décadas de usar medidas semelhantes, particularmente com a imposição das chamadas "sanções secundárias", ou seja, restrições que atingem não apenas um país individual, mas qualquer outro país que faça negócios com eles.
Em uma entrevista publicada na sexta-feira (10) pelo jornal Financial Times, Daalder disse que a proposta dele e de Rasmussen foi vista pela administração Biden, pelo Tesouro, pelo Departamento de Estado dos EUA e por funcionários da UE.
"Estes são interesses geoestratégicos [...] que podem ter que superar os interesses econômicos de uma forma que provavelmente não foi possível nos últimos 30 anos, mas precisa ser possível nos próximos" anos, acredita ele.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала