Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

China vai 'lutar até o fim' contra tentativas de separar Taiwan do país, diz ministro

© AP Photo / Ramil SitdikovO ministro da Defesa Nacional da China, Wei Fenghe, durante uma reunião em Moscou, na Rússia, em 4 de setembro de 2020
O ministro da Defesa Nacional da China, Wei Fenghe, durante uma reunião em Moscou, na Rússia, em 4 de setembro de 2020 - Sputnik Brasil, 1920, 11.06.2022
Nos siga noTelegram
A China "lutará até o fim" para impedir tentativas de separar Taiwan do país, prometeu o ministro da Defesa chinês, Wei Fenghe, em meio ao aumento de tensões com os Estados Unidos sobre a ilha.

"Se alguém tentar separar Taiwan da China, entraremos na batalha sem hesitação e lutaremos a qualquer custo e até o fim", disse o ministro da Defesa, Wei Fenghe, na cúpula de segurança do Diálogo Shangri-La, em Cingapura.

Segundo o ministro, aqueles que buscam dividir a China, definitivamente, não terão um bom final".
"Ninguém deve subestimar a determinação e a capacidade das Forças Armadas chinesas de salvaguardar sua integridade territorial", afirmou.
Seu discurso ocorre um dia depois que o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, acusou a China de atividade militar "provocativa e desestabilizadora" perto da ilha. Pequim aponta que Taiwan é parte de seu território e aguarda a reunificação.
A ilha de Taiwan tem sido governada de forma independente da China continental desde 1949, quando se separou de Pequim durante uma guerra civil que resultou na tomada do controle pelo Partido Comunista. Pequim nunca reconheceu Taipé e espera que um dia ambos os lados do estreito de Taiwan sejam reunificados.
Treinamento marítimo China em Taiwan - Sputnik Brasil, 1920, 03.06.2022
Panorama internacional
Quantas mais provocações dos EUA e Taiwan, mais decisivo será contra-ataque da China, diz analista

Venda de armas dos EUA a Taiwan

Na última sexta-feira (10), os EUA aprovaram a venda de peças de reposição no valor de US$ 120 milhões (R$ 589 milhões) para ajudar Taiwan a manter seus navios de guerra, segundo comunicado publicado pela Agência de Cooperação de Defesa e Segurança dos EUA (DSCA, na sigla em inglês).
Pequim considera a venda uma ação para desestabilizar a região e minar a soberania e interesses de segurança do país, além de comprometer a paz ao longo do estreito de Taiwan.
O porta-voz do Ministério da Defesa da China, Tan Kefei, citado pelo Global Times, afirmou que os norte-americanos violaram seriamente o princípio de Uma Só China, instando os EUA a cancelarem imediatamente a venda de armas à região de Taiwan, bem como seus laços militares.
USS Barry navega pelo estreito de Taiwan, 23 de abril de 2020 - Sputnik Brasil, 1920, 11.06.2022
Panorama internacional
'OTAN asiática nunca será levada a sério', dizem Filipinas em meio à 'belicosidade' da AUKUS
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала