Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Professor americano compara danos das sanções para Rússia e para Ocidente: 'O custo será esmagador'

© Sputnik / Vladimir SergeevBandeiras da Rússia, UE, França
Bandeiras da Rússia, UE, França - Sputnik Brasil, 1920, 08.06.2022
Nos siga noTelegram
A Rússia pagará custos das sanções ocidentais, mas eles parecem não ser tão graves em comparação com o que todo o mundo viverá em breve, disse em entrevista à Asia Times Steve Hanke, professor de economia e fundador do Instituto Johns Hopkins de Economia Aplicada, Saúde Global e Estudo das Empresas.
Conforme o professor, as sanções antirrussas foram contraprodutivas e absolutamente ineficazes quanto a alcançar o objetivo estabelecido: "mudar o comportamento" de Moscou.
Ao responder à questão sobre o custo dessas sanções para os EUA, a União Europeia e para todo o mundo, Hanke nota que em relação ao assunto há avaliações dos bancos de investimento, bancos centrais, organizações internacionais, como o Fundo Monetário Internacional, e diversas organizações não governamentais.
"Essas avaliações, que têm um caráter aleatório e parcial, sendo apenas a ponta do iceberg, indicam que o custo das sanções será esmagador", ressaltou o especialista.
Nas suas palavras, mesmo que os custos econômicos para Moscou sejam massivos, serão insignificantes em comparação com as consequências que os que vivem fora da Rússia vão enfrentar. "Em termos de escala, a UE sofrerá [um enorme] custo, muito maior do que os EUA. Mas os custos e as perturbações causadas pelas sanções não se limitarão à UE e aos EUA. Eles se espalharão por todo o mundo, colocando cargas significativas sobre os países pobres e os povos pobres", avisa o professor.
Hanke aponta que o embargo contra os recursos energéticos russos e seu transporte terá um impacto "severo e muito negativo" nos países da UE, com exceção da Hungria.

"Os EUA não escaparão ilesos. Os mercados globais de petróleo e gás se tornam politizados e balcanizados, com o petróleo a não circular tão livremente como nas últimas quatro décadas. Como resultado, todos vão acabar pagando mais do que teria sido o caso de outra forma", acrescentou ele.

Ao mesmo tempo, o professor criticou as declarações do presidente americano, Joe Biden, de que a inflação nos Estados Unidos teria sido provocada pelas ações da Rússia. Hanke ressaltou que os problemas nos EUA são resultado da política das administrações Biden e Trump, que durante a pandemia da COVID-19 emitiram e gastaram dinheiro como "marinheiros bêbados".
Pessoas protestam altos preços da gasolina em um posto de gasolina de Los Angeles, Califórnia, EUA, 4 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 08.06.2022
Panorama internacional
Preços dos combustíveis atingem novos máximos históricos nos EUA em meio às sanções antirrussas
Após o início da operação russa na Ucrânia, os países ocidentais endureceram a pressão sancionatória sobre Moscou. Bruxelas considera seriamente a variante de abandonar completamente o petróleo e gás russos. Na semana passada, os representantes permanentes da UE aprovaram definitivamente o sexto pacote de sanções, inclusive o embargo petrolífero e o desligamento de mais bancos russos do sistema SWIFT. Porém, a Hungria conseguiu exceções para si.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала