Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Em meio à crise na Europa, OTAN comenta garantias nucleares para Rússia

© AFP 2022 / JUSTIN TALLISCaças sobrevoam bandeiras na sede da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) durante a cerimônia de cúpula da aliança, Bruxelas, 25 de maio de 2017
Caças sobrevoam bandeiras na sede da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) durante a cerimônia de cúpula da aliança, Bruxelas, 25 de maio de 2017 - Sputnik Brasil, 1920, 07.06.2022
Nos siga noTelegram
Hospedar armas nucleares é uma questão "soberana" a ser decidida pelos membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), diz o vice-chefe da aliança liderada pelos EUA.
A OTAN não está inclinada a dar à Rússia nenhuma garantia de segurança sobre a implantação de armas nucleares nos territórios de seus dois possíveis membros, Finlândia e Suécia, disse o vice-secretário-geral, Camille Grand.
"Todo país é livre no campo nuclear para implantar ou não essas armas. Não estamos falando em estabelecer algumas restrições de princípio às possíveis ações da aliança", disse o funcionário da Aliança Atlântica à emissora suíça RTS, em entrevista publicada nesta terça-feira (7).
"Cada país membro da OTAN decide esta questão soberanamente. E agora não há essa pergunta. Mas não acho que na situação atual seja necessário dar à Rússia qualquer garantia quanto à nossa postura militar na região", disse Grand.
Historicamente neutros, Finlândia e Suécia lutam para se juntar à OTAN em meio ao conflito em andamento entre Rússia e Ucrânia, desde que Moscou lançou sua operação militar especial em atendimento ao pedido de ajuda das repúblicas populares de Donetsk (RPD) e Lugansk (RPL) diante do não cumprimento dos termos dos acordos de Minsk, assinado em 2014, por parte do regime de Kiev.
Desde então, o Kremlin exigiu que a Ucrânia se declarasse oficialmente um país neutro que nunca ingressará na OTAN. Grand disse que a potencial adesão da Ucrânia ao bloco não está atualmente na agenda, e que o conflito em curso deve ser resolvido antes que Kiev "seja capaz de decidir por si mesma como quer se posicionar na arquitetura de segurança europeia".
Bandeira da União Europeia em chamas na Grécia - Sputnik Brasil, 1920, 07.06.2022
Panorama internacional
Aliança bélica da OTAN e ambição dos EUA na Ucrânia farão Europa queimar, diz mídia
Tanto a Finlândia quanto a Suécia, apesar da neutralidade declarada, mantêm laços estreitos e cooperação militar com o bloco liderado pelos EUA há décadas. "São dois parceiros muito próximos que vêm com capacidades militares significativas. Eles também trazem conhecimento da região dos mares Báltico e Nórdico", disse Grand.
A potencial adesão das duas nações ao bloco, no entanto, está em um impasse, já que a Turquia, um importante país da OTAN, se opõe firmemente à sua proposta de adesão. Ancara acusou os dois países de serem "hospedagens de organizações terroristas" por hospedarem membros de grupos curdos ilegais. A Turquia agora quer que Helsinque e Estocolmo reprimam o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) e outros grupos que considera terroristas, além de entregar alguns suspeitos a Ancara. Entre outras demandas, Ancara também quer que os dois países levantem as restrições ao comércio de armas com a Turquia.
Grand expressou a esperança de que as diferenças entre a Turquia e os dois possíveis Estados-membros sejam resolvidas antes da próxima cúpula da OTAN agendada para o final de junho.
"Esperamos que as diferenças sejam resolvidas a tempo da cúpula. É importante levar em consideração as preocupações da Turquia", afirmou Grand.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала