Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Dívidas, crise pós-COVID e disputas trabalhistas podem acabar com a maior empresa aérea escandinava

© AP Photo / Bjorn Larsson Rosval, ScanpixAvião na rampa da pista do Aeroporto Landvetter, nos arredores de Gotemburgo, Suécia, 7 de março de 2006
Avião na rampa da pista do Aeroporto Landvetter, nos arredores de Gotemburgo, Suécia, 7 de março de 2006 - Sputnik Brasil, 1920, 31.05.2022
Nos siga noTelegram
Escassez de pessoal, disputas trabalhistas, dívidas massivas e demanda em queda, exacerbadas pela pandemia de COVID-19, colocaram a companhia aérea nórdica SAS "em um fogo cruzado de problemas", afirma o jornal dinamarquês Finans.
Devastada pela pandemia e abalada por dívidas acumuladas, a transportadora de bandeira escandinava SAS está enfrentando sua crise mais grave de todos os tempos, que corre o risco de colocar a poderosa empresa de joelhos, concluíram analistas.
Abalada por nove trimestres consecutivos de perdas substanciais, a empresa está em "um fogo cruzado de problemas" e "pode estar olhando para o abismo", escreveu o jornal dinamarquês Finans. Para evitar um acidente catastrófico, a empresa precisa arrecadar bilhões rapidamente para reduzir a enorme dívida.
"Não há dúvida de que a SAS está em sua crise financeira mais grave de todos os tempos", disse o analista de aviação Hans Jorgen Elnaes ao jornal norueguês Borsen.
"A dívida é muito alta, aproximadamente SEK 33,5 bilhões [cerca de R$ 16 bilhões], e a competitividade da empresa foi enfraquecida devido a uma base de custos muito alta, o que significa que a SAS não pode mais competir em preços de ingressos contra Norwegian, Flyr e outros players de baixo custo no crescente mercado de férias e lazer", disse Elnaes.
Além disso, os problemas estão se acumulando. Pilotos de vários sindicatos estão processando a empresa, argumentando que o estabelecimento de subsidiárias vai fazer com que muitos pilotos percam seus empregos, o que mancha a imagem da empresa.
A primeira-ministra da Suécia, Magdalena Andersson, participa de coletiva de imprensa em Varsóvia, na Polônia, em 5 de maio de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 25.05.2022
Panorama internacional
Suécia não envia dinheiro nem armas a organizações terroristas, diz primeira-ministra
Além disso, a falta de pessoal e os voos atrasados significaram que a SAS teve que cortar 4.000 voos somente neste verão. É provável que mais de 100.000 passageiros da empresa sejam transferidos para outros voos que não os originais.
A SAS também recebeu críticas nas mídias sociais e nas reportagens da mídia, com clientes fazendo fila para acusá-los de má prestação de serviços. O argumento contra a SAS ganhou força quando o comediante dinamarquês Frederik Cilius Jorgensen acusou a empresa de "f*** de primeira classe" e "atendimento ao cliente incrivelmente ruim" em conexão com um voo da Itália para casa.
Anteriormente, em outubro de 2021, o CEO da SAS, Anko van der Werff, concordou que a empresa estava "lutando pela sobrevivência" em meio a dívidas massivas, queda na demanda entre viajantes de negócios e funcionários insatisfeitos.
Em fevereiro de 2022, van der Werff apresentou um plano, chamado "para frente, SAS", projetado para garantir uma revisão completa das operações e ajudar a reduzir os custos anuais em SEK 7,5 bilhões (cerca de R$ 3,6 bilhões) anualmente. De acordo com Finans, porém, o plano de resgate está atrasado e não consegue obter apoio de sindicatos e empresas de leasing.
Forças Aéreas da OTAN, pára-quedistas - Sputnik Brasil, 1920, 31.01.2022
Panorama internacional
Dinamarca não descarta apoio militar à Ucrânia após conceder milhões em assistência ao país
O Estado norueguês deixou de ser proprietário da SAS em 2018, mas mesmo assim concedeu à empresa atingida pela crise NOK 1,5 bilhão (aproximadamente R$ 754 milhões) em empréstimos financiados pelo governo durante a pandemia. Eles fizeram o mesmo com a companhia aérea Norwegian no valor de NOK 3 bilhões (R$ 1,5 bilhão). Para evitar perder essa quantia, o governo anterior investiu mais NOK 1,2 bilhão (cerca de R$ 612 milhões) no refinanciamento desta empresa. O atual ministro do Comércio e Indústria, Jan Christian Vestre, enfrenta agora a mesma escolha na SAS, descrita pelo jornal E24 como "dobre ou desista".
De acordo com o professor da Escola Norueguesa de Economia, Frode Steen, nenhum novo fundo deve ser canalizado para a SAS. Ele ainda argumentou que a empresa "não é bem administrada" e está "lutando com a maioria das coisas". "Se a Noruega investir mais dinheiro agora, tenho certeza de que nunca o recuperaremos", argumentou Steen.
O analista de aviação argumentou que a SAS terá um futuro mais sustentável se a empresa não tiver acionistas majoritários estatais.
"Mas, por razões compreensíveis, por exemplo, a Dinamarca pode estar interessada em manter a propriedade da SAS, porque ela responde por cerca de um terço do tráfego no Aeroporto Kastrup de Copenhague, que também é o maior local de trabalho da Dinamarca", argumentou.
A transportadora de bandeira pan-escandinava SAS é atualmente copropriedade dos governos sueco e dinamarquês, que controlam 21,8% cada. Antes da pandemia, a SAS operava 180 aeronaves para 90 destinos. Seus principais hubs incluem Copenhague Kastrup, Estocolmo Arlanda e Oslo Gardermoen.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала