Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Biden: EUA não prolongarão conflito na Ucrânia 'apenas para causar danos à Rússia'

© AP Photo / Andrew HarnikO presidente norte-americano, Joe Biden, fala durante evento no Dia da Memória, em Arlignton, EUA, 30 de maio de 2022
O presidente norte-americano, Joe Biden, fala durante evento no Dia da Memória, em Arlignton, EUA, 30 de maio de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 31.05.2022
Nos siga noTelegram
Nesta terça-feria (31), em artigo de opinião, o presidente norte-americano, Joe Biden, delimitou o que os Estados Unidos farão em relação à crise na Ucrânia daqui em diante e afirmou que não pretende prolongar o conflito para causar danos à Rússia.
Biden publicou o artigo no jornal The New York Times afirmando que pretende ser claro em relação ao que os EUA farão e não farão a partir de agora em relação à operação militar russa na Ucrânia. Washington já enviou dezenas de bilhões de dólares a Kiev.

Apesar do contínuo apoio financeiro e de armas, o presidente norte-americano garantiu em seu artigo que não pretende prolongar o conflito na Ucrânia e reiterou a manutenção do apoio dos EUA a Kiev. Segundo Biden, Washington enviará armas ainda mais avançadas ao país europeu, mas limitará o arsenal a armamentos de curto alcance.
O presidente dos EUA garantiu que o país seguirá enviando à Ucrânia armas como mísseis anti-tanques Javelin, mísseis antiaéreos Stinger, artilharia pesada, sistemas de mísseis de precisão, radares, drones, helicópteros Mi-17 e munição.

EUA não querem guerra com a Rússia, diz Biden

Biden salientou que os EUA não buscam uma guerra entre a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e a Rússia e que não pretendem fomentar a queda do presidente russo, Vladimir Putin.
"Desde que os Estados Unidos e nossos aliados não sejam atacados, nós nos envolveremos diretamente neste conflito, seja enviando tropas norte-americanas para lutar na Ucrânia, ou atacando forças russas", disse o líder da Casa Branca. "Nós não estamos encorajando ou permitindo que a Ucrânia realize ataques para além de suas fronteiras. Nós não queremos prolongar a guerra apenas para causar danos à Rússia", acrescentou.

© AFP 2022 / Chip Somodevilla / Getty Images North America / HandoutJoe Biden, presidente dos EUA, fala no Estádio de Memorial da Academia Naval do país em Annapolis, Maryland, EUA, 27 de maio de 2022
Joe Biden, presidente dos EUA, fala no Estádio de Memorial da Academia Naval do país em Annapolis, Maryland, EUA, 27 de maio de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 31.05.2022
Joe Biden, presidente dos EUA, fala no Estádio de Memorial da Academia Naval do país em Annapolis, Maryland, EUA, 27 de maio de 2022
Biden ressaltou que sua administração quer que a Ucrânia seja "democrática, independente, soberana e próspera, com capacidade de dissuasão e de se defender de agressões futuras", acrescentando que continuará enviando armas ao país europeu. Segundo ele, isso garantirá aos ucranianos uma maior capacidade de negociação com os russos.
"É por isso que decidimos enviar aos ucranianos sistemas mais avançados de mísseis e munições capazes de atingir com maior precisão alvos sensíveis no campo de batalha", afirmou.
Biden também afirmou que seu governo não pressionará a Ucrânia a ceder seus territórios. Segundo o mandatário, as negociações com a Rússia não foram interrompidas por Kiev devido a algum tipo de abandono da diplomacia, mas por causa de vitórias militares russas.

Biden descarta uso de armas nucleares pela Rússia

O presidente norte-americano também disse em seu artigo que não há indícios de que a Rússia utilizará armas nucleares na Ucrânia.
"Eu sei que muitas pessoas ao redor do mundo estão preocupadas sobre o uso de armas nucleares. Nós atualmente não vemos indícios de que a Rússia tenha a intenção de usar armas nucleares na Ucrânia, apesar de a retórica nuclear russa ser perigosa e extremamente irresponsável", disse Biden.
O mandatário acrescentou que o uso de armas nucleares seria "inaceitável" e traria graves desdobramentos.

"Deixe-me ser claro: qualquer uso de armas nucleares nesse conflito, em qualquer escala, é inaceitável para nós, assim como para o resto do mundo, e acarretaria consequências severas", afirmou.

Cooperação com aliados para prolongar sanções e fornecimento de armas

O presidente norte-americano, Joe Biden, também prometeu em seu artigo que continuará trabalhando com "aliados e parceiros" em relação às sanções contra a Rússia. As medidas foram descritas por ele como as mais severas já realizadas contra uma grande economia.

"Nós também enviaremos bilhões [à Ucrânia] a mais em auxílio financeiro, conforme autorizado pelo Congresso", disse Biden.

© Sputnik / Aleksei Bitvitsky O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), Jens Stoltenberg, durante conferência de imprensa após reunião do Conselho Rússia-OTAN, em Bruxelas, 12 de janeiro de 2022
 O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), Jens Stoltenberg, durante conferência de imprensa após reunião do Conselho Rússia-OTAN, em Bruxelas, 12 de janeiro de 2022  - Sputnik Brasil, 1920, 31.05.2022
O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), Jens Stoltenberg, durante conferência de imprensa após reunião do Conselho Rússia-OTAN, em Bruxelas, 12 de janeiro de 2022
Em relação à crise alimentar mundial deflagrada pelo conflito ucraniano, o presidente norte-americano se comprometeu a cooperar com países aliados em busca de soluções. Biden também afirmou que os EUA ajudarão seus parceiros a reduzir a dependência de combustíveis fósseis russos e acelerar a transição para um futuro de energia limpa.
Além disso, o presidente dos EUA disse que Washington defende o reforço do flanco oriental da OTAN e reiterou o apoio às candidaturas de Finlândia e Suécia à aliança militar ocidental, recentemente bloqueadas pela Turquia.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала