Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Rússia vai cooperar com países da América Latina não obstante seu status na OEA, diz embaixada

© AP Photo / Patrick SemanskyA bandeira da Rússia do lado de fora da embaixada russa, em Washington, EUA, 24 de fevereiro de 2022
A bandeira da Rússia do lado de fora da embaixada russa, em Washington, EUA, 24 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 19.05.2022
Nos siga noTelegram
A Rússia pretende manter e aprofundar a cooperação com as nações da América Latina e do Caribe, independentemente de seu status na Organização dos Estados Americanos (OEA), disse a embaixada da Rússia nos EUA.
Em abril, a OEA revogou o status de observador permanente da Rússia devido à operação especial militar que está sendo realizada na Ucrânia.
"A cooperação de nosso país com os parceiros da América Latina e do Caribe prossegue e continuará se aprofundando. Estamos convencidos de que isso serve os interesses de nossos países", lê-se em comunicado da embaixada.
A missão diplomática acrescentou que o status na OEA não é importante para a Rússia, já que a organização, devido à ação dos EUA, deixou de ser uma plataforma regional universal no Hemisfério Ocidental.
A OEA foi acusada ao longo de sua história por diferentes atores políticos de defender a prevalência dos interesses de Washington sobre as soberanias dos países que a compõem.
Evo Morales, ex-presidente da Bolívia, fala durante uma entrevista coletiva à margem de um seminário do Partido Trabalhista, na Cidade do México, sexta-feira, 22 de outubro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 16.05.2022
Panorama internacional
Morales defende retirada da Bolívia da OEA em meio a boicote crescente de líderes latino-americanos
Nos últimos anos, a organização foi acusada de assumir posições de franca hostilidade, principalmente contra os governos de Nicolás Maduro, na Venezuela, e Daniel Ortega, na Nicarágua.
A Cúpula das Américas, a ser realizada em junho em Los Angeles, na Califórnia, também gerou tensões entre o México, Bolívia, Guatemala, Brasil e Estados Unidos. Washington se tornou alvo de críticas por se recusar a convidar a Nicarágua, Cuba e Venezuela, por considerá-los governos autoritários e antidemocráticos.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала