Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

UE promete fortalecer seu papel na segurança da Ásia-Pacífico ante pacto China-Ilhas Salomão

© AP Photo / Mark SchiefelbeinChanceler das Ilhas Salomão, Jeremiah Manele, durante cerimônia do estabelecimento das relações diplomáticas entre Honiara e Pequim, 21 de setembro de 2019
Chanceler das Ilhas Salomão, Jeremiah Manele, durante cerimônia do estabelecimento das relações diplomáticas entre Honiara e Pequim, 21 de setembro de 2019 - Sputnik Brasil, 1920, 18.05.2022
Nos siga noTelegram
A União Europeia prometeu fortalecer seu papel na segurança da Ásia-Pacífico em meio a crescentes preocupações expressas pelos parceiros ocidentais em relação à maior presença da China na região, relatou The Guardian nesta quarta-feira (18).
Gabriele Visentin, o enviado especial da União Europeia ao Indo-Pacífico, disse que Ilhas Salomão "nos enviaram um sinal alto e claro" por terem fechado o acordo de cooperação de segurança com Pequim, que foi ratificado no mês passado. Ele sugeriu que esse sinal era a necessidade de fazer mais na região.
Os EUA e a Austrália, dois grandes parceiros da UE, têm avisado de que a potencial base militar chinesa prevista pelo pacto China-Ilhas Salomão seria "a linha vermelha" para ambos os países, e isso teria consequências.
O diplomata europeu, porém, rejeitou condenar abertamente o acordo até o ver. Visentin também defendeu o direito das Ilhas Salomão para tomar "decisões soberanas".
Um grande navio de desembarque e duas embarcações de desembarque realizaram treinamento de integração para missões de desembarque anfíbio em uma região não revelada no Mar do Sul da China em fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 20.04.2022
Panorama internacional
China preenche lacunas de segurança nas Ilhas Salomão enquanto EUA discutem estratégias no Pacífico
Ele sublinhou que "a UE e outros têm que fazer mais" na região da Ásia-Pacífico, acrescentando que a União Europeia vai "cooperar sempre que for possível", mas também "defender seus interesses" quando necessário.

"Não é dirigido contra um ou outro país – é uma forma de aumentar nossa capacidade e nossa credibilidade em termos de defesa de nossos interesses", afirmou.

Visentin especificou ainda que um plano de segurança "mais intenso" com países da região da Ásia-Pacífico não implicaria o estabelecimento de bases militares ou implementação de tropas na região.
Ele sublinhou que a UE procuraria realizar treinos militares, exercícios em terra e no mar e reforçar a inteligência. Além disso, apoiou a ideia de mais navios da UE atravessarem a região, aparentemente semelhante às controversas operações de liberdade de navegação frequentemente empreendido pelas forças dos EUA.
Caracterizando a relação complexa de Bruxelas com a China, seu maior parceiro comercial, o diplomata europeu revelou que ele vê Pequim como "um parceiro, um concorrente e um rival".
O primeiro-ministro chinês Li Keqiang, à esquerda, e o primeiro-ministro das Ilhas Salomão, Manasseh Sogavare, revisam uma guarda de honra durante uma cerimônia de boas-vindas no Grande Salão do Povo em Pequim (foto de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 29.04.2022
Panorama internacional
Ilhas Salomão rebatem Austrália sobre acordo com China: AUKUS não foi transparente
Enquanto Visentin descartou a possibilidade de uma guerra iminente entre a China e os aliados ou parceiros ocidentais na Ásia-Pacífico, ele argumentou, no entanto, que a UE está preocupada que a "ordem multilateral baseada em regras não seja plenamente respeitada".

Mais envolvimento no Pacífico seria 'desafio' para UE

Sujiro Seam, o embaixador da UE no Pacífico e nas Ilhas Salomão, apoiou as observações de Visentin sobre a necessidade de um "plano de segurança mais intensivo" na região no contexto do pacto Pequim-Honiara, porém, ele apontou que o envolvimento da União Europeia em questões relacionadas com a defesa no Pacífico era "muito limitado".

"É um desafio para o futuro, e este acordo de segurança entre a China e Ilhas Salomão deve ser considerado no desenvolvimento da ação da União Europeia sobre segurança e defesa na região", observou Seam.

"Tradicionalmente no Pacífico a União Europeia tem sido um parceiro de desenvolvimento. O principal desafio é mostrar que podemos ser outra coisa, um parceiro estratégico em segurança e defesa", acrescentou.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала