Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Trump propôs assassinar Maduro, mas considerava Guaidó 'fraco', revela ex-chefe do Pentágono

© AFP 2022 / Yuri CortézNicolás Maduro, presidente venezuelano, acompanhado pela primeira-dama Cilia Flores, durante comício em Caracas, Venezuela, 1º de maio de 2022
Nicolás Maduro, presidente venezuelano, acompanhado pela primeira-dama Cilia Flores, durante comício em Caracas, Venezuela, 1º de maio de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 15.05.2022
Nos siga noTelegram
O ex-presidente dos EUA avaliou opções para remover Nicolás Maduro do poder na Venezuela, inclusive através de uma invasão direta do país, escreveu ex-chefe do Pentágono em um livro.
Donald Trump, ex-presidente dos EUA (2017-2021), propôs aos líderes de oposição da Venezuela que matassem Nicolás Maduro, mandatário do país, indicou no sábado (14) a agência espanhola Europa Press, citando o livro "Um Juramento Sagrado" ("A Sacred Oath", em inglês), que foi publicado na terça-feira (10) por Mark Esper, ex-chefe do Pentágono (2019-2020).
"O que aconteceria se o Exército dos EUA fosse lá e se livrasse de Maduro?", perguntou Trump em 5 de fevereiro de 2020, durante uma reunião em Washington com os opositores venezuelanos Juan Guaidó, Julio Borges, Carlos Vecchio e Mauricio Claver-Carone, citado por Esper, que acreditava que o presidente dos EUA estava "pondo à prova" Guaidó.
"É claro que sempre agradeceríamos a assistência dos EUA", respondeu o opositor, acrescentando que os venezuelanos que moravam na Colômbia "queriam recuperar seu país por eles próprios". Isso levou Esper a questionar Guaidó se os seus apoiadores estariam dispostos a se "organizar, treinar e lutar", em vez de envolver diretamente tropas dos EUA contra Maduro.
"Sim, o fariam", concluiu Guaidó após uma argumentação tortuosa, o que não tranquilizou o ex-secretário de Defesa dos EUA.
Ex-conselheiro de segurança nacional dos EUA, John Bolton (foto de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 18.06.2020
Trump viu Venezuela como 'parte dos EUA' e que seria 'legal' invadi-la, diz Bolton em livro
Donald Trump e a equipe do Conselho de Segurança Nacional (NSC, na sigla em inglês) dos EUA continuaram favorecendo uma invasão militar direta dos EUA, e não desde a Colômbia, que "seria complicada". Guaidó deixou de se opor à ideia, o que levou Esper a "direcionar qualquer conversa sobre este tema em uma direção diferente".
"Como eu disse sarcasticamente ao presidente antes da reunião, tenho certeza de que a oposição venezuelana 'lutaria até o último americano' se nós o oferecêssemos", disse Esper.
No entanto, a falha da tentativa de golpe de Estado 2019 contra Maduro reforçou a opinião de Trump de que Guaidó era "fraco" e que o presidente efetivo da Venezuela era "forte". A Operação Gideon de maio de 2020 para depor Nicolás Maduro, que, segundo o ex-chefe do Pentágono, poderia ter sido o plano aprovado por Juan Guaidó, também foi frustrado mais tarde por Caracas.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала