Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

EUA limitam dados de inteligência sobre líderes russos repassados a Kiev, diz jornal

© AP Photo / Andrew HarnikPresidente dos EUA, Joe Biden, e a primeira-dama, Jill Biden, chegam à Casa Branca em Washington, em 20 de março de 2022
Presidente dos EUA, Joe Biden, e a primeira-dama, Jill Biden, chegam à Casa Branca em Washington, em 20 de março de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 11.05.2022
Nos siga noTelegram
O jornal norte-americano The Washington Post publicou, nesta quarta-feira (11), que os Estados Unidos elaboraram uma diretriz que proíbe o compartilhamento de dados de inteligência com Kiev que possa ajudar a Ucrânia a atacar líderes russos ou outros alvos fora de suas fronteiras.
Segundo o jornal, Valery Gerasimov, chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, e Sergei Shoigu, ministro da Defesa, se enquadrariam nessa categoria. No entanto, de acordo com a reportagem, a proibição não se estende a oficiais militares russos, incluindo generais.

"A inteligência é muito boa. Ele nos diz onde os russos estão para que possamos atingi-los", disse um oficial ucraniano, usando o dedo para encenar uma bomba caindo sobre o alvo, conforme escreveu o jornal.

A segunda categoria de compartilhamento de inteligência proibido é qualquer informação que ajude a Ucrânia a atacar.
Quanto a alvos russos fora das fronteiras ucranianas, esta proibição, segundo o jornal, visa impedir que os EUA também se tornem parte de ataques que a Ucrânia poderia lançar na Rússia.
Segundo a reportagem, esse tipo de preocupação levou o governo a interromper os planos anteriores de enviar caças, que seriam fornecidos pela Polônia e poderiam ser usados para lançar ataques em solo russo.
© AP Photo / Efrem LukatskyMilitares ucranianos desembalam mísseis antitanque Javelin, entregues como parte da assistência de defesa dos Estados Unidos à Ucrânia, no aeroporto de Borispol, na Ucrânia, em 11 de fevereiro de 2022
Militares ucranianos desembalam mísseis antitanque Javelin, entregues como parte da assistência de segurança dos Estados Unidos da América à Ucrânia, no aeroporto de Borispol, Ucrânia, 11 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 11.05.2022
Militares ucranianos desembalam mísseis antitanque Javelin, entregues como parte da assistência de defesa dos Estados Unidos à Ucrânia, no aeroporto de Borispol, na Ucrânia, em 11 de fevereiro de 2022. Foto de arquivo
As autoridades norte-americanas enfatizaram ao jornal que os EUA não estão em conflito direto com a Rússia e que a assistência prestada "destina-se à defesa da Ucrânia".
Porém, segundo o The Washington Post, as autoridades americanas têm pouco controle sobre como os beneficiários ucranianos usam o equipamento militar e os dados de inteligência na prática.
Para o jornal, a situação aumenta o risco de uma ameaça de um conflito direto entre as duas potências nucleares.
Bandeiras de Brasil, Rússia e EUA no Centro de Controle de Missão RKA da Agência Espacial Federal da Rússia, Roscosmos, na cidade de Koroliov, região de Moscou - Sputnik Brasil, 1920, 11.05.2022
Panorama internacional
Especialista explica interesse dos EUA pelo Brasil: 'Isolar a Rússia passou a ser mais importante'
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала