Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Japão promove o tema da ameaça da China para aumentar seu poderio militar, diz MRE chinês

© AP Photo / Koji SasaharaBandeira do Sol Nascente, a bandeira militar do Japão, içada no navio de desembarque JS Kunisaki da Força Marítima de Autodefesa do Japão
Bandeira do Sol Nascente, a bandeira militar do Japão, içada no navio de desembarque JS Kunisaki da Força Marítima de Autodefesa do Japão - Sputnik Brasil, 1920, 06.05.2022
Nos siga noTelegram
O Ministério das Relações Exteriores da China disse nesta sexta-feira (6) que o Japão está exagerando a chamada ameaça da China a fim de encontrar uma desculpa para impulsionar o seu próprio poderio militar.
Durante a sua visita ao Reino Unido na quinta-feira (5), o primeiro-ministro japonês Fumio Kishida afirmou que tinha "fortes preocupações" sobre as tentativas unilaterais de mudar o status quo no mar da China Oriental e no mar do Sul da China e as atividades "rápidas, mas não transparentes" de reforço militar e coação econômica, avança CGTN.

A parte japonesa tem frequentemente explorado algumas atividades diplomáticas para os seus próprios fins, provocando a China, exagerando as tensões regionais e exaltando a chamada ameaça chinesa, disse Zhao Lijian, porta-voz da chancelaria chinesa durante uma coletiva de imprensa.

Ele acrescentou que o lado japonês está fazendo isso para inventar uma desculpa para sua própria expansão da força militar, o que mina a confiança mútua e cooperação entre os países regionais e não favorece a paz e estabilidade na região.
Comentando sobre a ilha autogovernada de Taiwan, Kishida afirmou que "a Ucrânia pode ser amanhã a Ásia Oriental".
Treinamento militar entre as Marinhas japonesa e norte-americana foi realizado no Japão, no dia 15 de março de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 04.05.2022
Panorama internacional
Relatório encomendado pelo Pentágono recomenda que EUA armem Japão contra China
Em resposta, Zhao reiterou que Taiwan é uma parte inseparável do território chinês, e a questão de Taiwan é completamente um assunto interno da China, o que não é comparável à questão da Ucrânia.
O governo chinês defende Taiwan como parte inalienável de seu território, citando o reconhecimento da República Popular da China pela ONU e pelos EUA nos anos 1970 como único representante da China.
Apesar disso, Washington assinou em 1979 o Ato das Relações de Taiwan, que rege a política não diplomática norte-americana com relação à ilha, e sob o qual se mantêm as relações bilaterais militares e outras.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала