Pessoas usando máscaras de proteção caminham por rua em Paris, França, 27 de maio de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Sociedade e cotidiano
As principais notícias, reportagens e artigos sobre sociedade e a rotina cotidiana.

Paleontólogos encontram na Patagônia argentina o maior megaraptor já registrado (FOTOS)

© Foto / Agustín OzánImpressão artística do megaraptor Maip macrothorax
Impressão artística do megaraptor Maip macrothorax - Sputnik Brasil, 1920, 04.05.2022
Nos siga noTelegram
Paleontólogos argentinos anunciaram a descoberta de um dinossauro predador que media o equivalente a três andares do nariz à cauda e eviscerava suas presas com garras afiadas e curvas.
De acordo com a Science Alert, pesando cerca de seis toneladas, o espécime é o maior megaraptor descoberto até hoje e provavelmente se alimentava de dinossauros menores que rasgava em pedaços com suas garras antes de devorá-los, disse o paleontólogo Mauro Aranciaga.
Maip macrothorax (mau gigante) seria a expressão perfeita daquele que teria sido o "predador do ápice" de seu tempo, disse Aranciaga.
O nome é derivado da cultura indígena local e se refere a uma figura mitológica do povo Aonikenk da Patagônia em que Maip representa o "mau", a "sombra da morte", enquanto macrothorax se refere à sua enorme extensão. Para se ter uma ideia, os cientistas estimam que só sua cavidade toráxica media cerca de 1,2 metro.
© AFP 2022 / Juan MabromataO paleontólogo argentino Fernando Novas compara com um livro, os ossos fossilizados de Maip macrothorax, o dinossauro megaraptor recém-identificado que habitava a Patagônia Argentina, em seu escritório no Museu Argentino Bernardino Rivadavia de Ciências Naturais, em Buenos Aires, 2 de maio de 2022
O paleontólogo argentino Fernando Novas compara com um livro, os ossos fossilizados de Maip macrothorax, o dinossauro megaraptor recém-identificado que habitava a Patagônia Argentina, em seu escritório no Museu Argentino Bernardino Rivadavia de Ciências Naturais, em Buenos Aires, 2 de maio de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 04.05.2022
O paleontólogo argentino Fernando Novas compara com um livro, os ossos fossilizados de Maip macrothorax, o dinossauro megaraptor recém-identificado que habitava a Patagônia Argentina, em seu escritório no Museu Argentino Bernardino Rivadavia de Ciências Naturais, em Buenos Aires, 2 de maio de 2022
O monstro recém-identificado pertencia a um grupo de gigantes carnívoros que vagou pela América do Sul, mas o exemplar em questão media de nove a dez metros de comprimento, maior do que qualquer tipo de megaraptor já descoberto anteriormente, de acordo com a equipe de Aranciaga.
Ele viveu cerca de 70 milhões de anos atrás, no final do período Cretáceo, no que era então uma floresta tropical, muito antes da cordilheira dos Andes e das geleiras que agora definem a Patagônia.
As garras dianteiras de Maip macrothorax eram afiadas e curvas, cada uma com cerca de 40 centímetros de comprimento, perfeitas para penetrar o couro de suas vítimas.
© AFP 2022 / Juan MabromataOs paleontólogos argentinos Mauro Aranciaga (esquerda) e Fernando Novas verificam ossos fossilizados de Maip macrothorax, o recém-identificado dinossauro megaraptor que habitava a Patagônia Argentina, no Museu Argentino Bernardino Rivadavia de Ciências Naturais, em Buenos Aires, 2 de maio de 2022
Os paleontólogos argentinos Mauro Aranciaga (esquerda) e Fernando Novas verificam ossos fossilizados de Maip macrothorax, o recém-identificado dinossauro megaraptor que habitava a Patagônia Argentina, no Museu Argentino Bernardino Rivadavia de Ciências Naturais, em Buenos Aires, 2 de maio de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 04.05.2022
Os paleontólogos argentinos Mauro Aranciaga (esquerda) e Fernando Novas verificam ossos fossilizados de Maip macrothorax, o recém-identificado dinossauro megaraptor que habitava a Patagônia Argentina, no Museu Argentino Bernardino Rivadavia de Ciências Naturais, em Buenos Aires, 2 de maio de 2022
Depois de meses de escavação meticulosa, limpeza e classificação de um grande depósito de ossos, foram identificados vértebras, pedaços de costela, quadril, cauda e braço.
"Quando levantei a vértebra e vi que tinha as características de um megaraptor, foi realmente uma emoção enorme", lembrou Aranciaga, 29, que teve a sorte de encontrar o Maip em sua primeira expedição profissional. "De alguma forma, realizei meu sonho de infância [...] encontrar um novo fóssil que se revelou um megaraptor, o grupo no qual me especializo", disse.
Maip foi um dos últimos megaraptores a habitar a Terra antes da extinção dos dinossauros, cerca de 66 milhões de anos atrás, segundo Fernando Novas, do Laboratório de Anatomia Comparada do Museu Argentino de Ciências Naturais.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала