Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Especialista diz que crimes de guerra da França no Mali 'podem ser verdade' e pede 'mea culpa'

© AFP 2022 / Habibou Kouyate Militares do Mali (foto de arquivo).
Militares do Mali (foto de arquivo). - Sputnik Brasil, 1920, 04.05.2022
Nos siga noTelegram
Especiais
Enquanto enfrenta graves acusações do governo do Mali, a França decidiu "culpar os russos" por um massacre na base militar de Gossi. Para especialista, embora não seja possível determinar os responsáveis pelo crime de guerra, o país europeu ainda deve um mea culpa aos africanos.
A junta militar que governa o Mali anunciou ontem (3) que não quer continuar com os acordos de defesa firmados com parceiros europeus. Citando "violações flagrantes da soberania do Mali", a declaração se soma a outros pronunciamentos feitos ao longo dos últimos dois meses, que incluem acusações de crimes de guerra franceses.
Para João Bosco Monte, presidente do Instituto Brasil África, a verdade sobre essa história é que os franceses, desde o início da intervenção no país africano, em 2013, "nunca entenderam o Mali".
Para ele, o governo francês "não entendeu como é difícil combater o terrorismo, que não pode ser perseguido para sempre".
Assim como o início das operações francesas partiram de um objetivo "irreal", a retirada das tropas em andamento deixou cicatrizes profundas no país africano.
O Mali acusa a França de esconder uma vala comum com corpos mutilados perto da base de Gossi. Em 19 de abril, o Exército francês abandonou o campo de operações e o entregou aos militares malianos.
Foto de arquivo: soldados franceses garantem a evacuação de estrangeiros durante trocas de tiros com jihadistas em Gao, norte do Mali, 10 de fevereiro de 2013 - Sputnik Brasil, 1920, 04.05.2022
Panorama internacional
Nova montagem da propaganda francesa contra a Rússia: agora é a vez das valas no Mali?
A França se apressou em culpar os russos, versão que foi rejeitada pelo Exército maliano, segundo declarações de autoridades do país no último dia 26.
"As forças francesas são culpadas de subversão ao publicar imagens falsas montadas para acusar o Exército maliano de matar civis", disse o governo em comunicado.
A diretora da Fundação para a Luta contra a Repressão, Mira Terada, também comentou as declarações da mídia ocidental que acusam instrutores militares russos. Segundo ela, tudo não passa de uma montagem da propaganda francesa.
Para João Bosco, as acusações "podem ser, de fato, verdade". Contudo, ele alerta que enquanto não houver provas, o importante é denunciar que "as invasões francesas, norte-americanas e britânicas na África e no Oriente Médio, com o tempo, são extremamente vulneráveis".
Presidente interino do Mali, coronel Assimi Goita. - Sputnik Brasil, 1920, 28.04.2022
Panorama internacional
Mali acusa França de 'subversão' e violação de seu espaço aéreo para 'espionagem'
Ele explicou que o "contexto político interno desses países muda muito ao longo dos anos" e o interesse por essas operações perde a força, abrindo espaço para que terroristas retornem, "como aconteceu no Afeganistão e na Somália".

"A África não é propriedade da França, e os franceses precisam ajudar a resolver os problemas que eles contribuíram [para criar]. Eles precisam fazer a mea culpa europeia. A França precisa entender que o Mali é soberano", disse.

Esse fator, sustenta o especialista, é a causa para que grupos terroristas reapareçam com mais força enquanto as potências ocidentais "deixam o Mali".
"O país já não tem mais a disposição de ter a França como um irmão que pode ajudar. A junta militar que está no Mali entende que a aliança com os franceses não tem mais valor, eles dizem que houve um ataque à soberania do país", comentou.
As relações entre a junta militar que governa o Mali e seus parceiros internacionais estão perto de se romper depois que o país não conseguiu organizar uma eleição após dois golpes militares.
O presidente da França, Emmanuel Macron, à direita, recebe o presidente do Chade, Mahamat Idriss Deby, para uma reunião no Palácio Elysée, em Paris, França, quarta-feira, 16 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 17.02.2022
Panorama internacional
França, aliados europeus e Canadá anunciam retirada conjunta de tropas do Mali
O Mali foi abalado na última década pela instabilidade política e por um conflito armado entre o governo e rebeldes tuaregues, que declararam uma secessão no país para o surgimento de um novo Estado — a contenda foi seguida por uma intervenção militar francesa e dois golpes de Estado nos últimos dois anos. O mais recente, ocorrido em 2021, levou ao anúncio de eleições para fevereiro de 2022, agora adiadas por cinco anos.
Como o Mali tem um território vasto, a França não teve condições de vigiar e revistar todas as cidades e vilas. Com isso, estima-se que terroristas tenham passado anos escondidos em partes do país, assim como na Líbia e na Argélia.
O problema agora, conforme relata o especialista, é que haverá uma luta pela herança da França no Mali, e todos buscarão o acesso a bases e a reservas de armas, munição e abastecimento.
João Bosco Monte disse que não há resposta fácil para a situação no Mali. Para ele, é preciso investir em uma resposta coletiva, principalmente no âmbito continental.
Contingente militar dos EUA no Afeganistão - Sputnik Brasil, 1920, 28.04.2022
Panorama internacional
Pentágono faz balanço e revela tamanho do prejuízo com saída caótica do Afeganistão
Ele explica que o país faz parte de uma comunidade econômica muito importante na África, que recentemente o privou de receber recursos.

"A junta militar do Mali que está à frente do governo condenou essas sanções do bloco africano, que tem um papel fundamental para rechaçar o que acontece no Mali e em outros países do continente", detalhou.

Para ele, o presidente do Senegal, que preside a União Africana (entidade de 55 Estados-membros que compõem o continente africano), precisa chamar a atenção para o que está ocorrendo no Mali.

"O ambiente no Mali é mais negativo do que positivo porque não há diálogo entre os países africanos e a comunidade internacional tem outros planos", declarou.

Ele lembra que também será preciso fazer com que os malineses reconstruam suas Forças Armadas. "Não puderam fazer antes e tampouco durante a crise. Veremos no futuro."
© AP Photo / Imprensa AssociadaMalianos protestam contra a França e a favor da Rússia no 60º aniversário da independência da República do Mali, na capital do país, Bamaco, em 22 de setembro de 2020.
Malianos protestam contra a França e em apoio à Rússia no 60º aniversário da independência da República do Mali, em Bamaco, Mali, 22 de setembro de 2020  - Sputnik Brasil, 1920, 04.05.2022
Malianos protestam contra a França e a favor da Rússia no 60º aniversário da independência da República do Mali, na capital do país, Bamaco, em 22 de setembro de 2020.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала