Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Rússia sabe quem planejou a provocação em Bucha, diz Putin após encontro com Guterres da ONU

© AFP 2022 / Natalia KolesnikovaO presidente russo, Vladimir Putin, faz um discurso ao receber os atletas medalhistas da Rússia nos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim 2022 e membros da equipe paralímpica do país no Kremlin, em Moscou, em 26 de abril de 2022
O presidente russo, Vladimir Putin, faz um discurso ao receber os atletas medalhistas da Rússia nos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim 2022 e membros da equipe paralímpica do país no Kremlin, em Moscou, em 26 de abril de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 26.04.2022
Nos siga noTelegram
Moscou recebeu o chefe das Nações Unidas para encontro com o ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, e com o líder russo, Vladimir Putin.
Nesta terça-feira (26), o secretário-geral da ONU, António Guterres, encontrou com o líder russo, Vladimir Putin, em Moscou. Durante a reunião, Putin disse ao chefe das Nações Unidas que a Rússia, como um dos países fundadores da ONU, sempre apoiou a organização.

"A Rússia, como um dos países fundadores das Nações Unidas e membro permanente do Conselho de Segurança, sempre apoiou essa organização universal. E acreditamos que ela não é apenas universal, mas única em seu tipo", afirmou.

O líder acrescentou que "não existe outra organização desse tipo na comunidade internacional", e ao mesmo tempo, expressou o desejo de continuar os diálogos com Kiev.

"Apesar do fato de que a operação militar está em andamento, ainda esperamos poder chegar a acordos também na via diplomática. Estamos mantendo conversas, não vamos desistir delas", disse Putin.

"Além disso, nos diálogos em Istambul [em 29 de março] [...] conseguimos alcançar um avanço bastante significativo, porque nossos colegas ucranianos não vincularam demandas por garantias de segurança internacional com questões como 'fronteiras internacionalmente reconhecidas da Ucrânia'. Crimeia, Sebastopol e as repúblicas de Donbass, reconhecidas pela Rússia, foram deixadas de fora, embora com algumas reservas", acrescentou.
O presidente da Rússia, Vladimir Putin, participa de videoconferência em 25 de março de 2022. - Sputnik Brasil, 1920, 17.04.2022
Panorama internacional
Putin quer participar de investigação internacional sobre crimes na Ucrânia, diz chanceler austríaco
O mandatário também declarou a Guterres que sabe de sua preocupação com a operação militar especial russa na Ucrânia, mas que todo o problema com Kiev surgiu após o golpe de 2014 no país, e que Moscou teve o direito de começar a operação em solo ucraniano para ajudar as repúblicas em Donbass.

"Todo o problema surgiu após o golpe de Estado ocorrido na Ucrânia em 2014. Este é um fato óbvio. Qualquer apego que se queira a quem o fez, mas este foi realmente um golpe inconstitucional."

O presidente acrescentou que "infelizmente para nós, ao longo de oito anos, as pessoas que viviam nestes territórios [Donbass] foram, em primeiro lugar, submetidas a um bloqueio, com as autoridades de Kiev dizendo publicamente e não se esquivando de dizer que estavam organizando um bloqueio desses territórios [...]. E eles continuaram a pressão militar. Nestas circunstâncias, depois que as autoridades em Kiev publicamente – e eu gostaria de enfatizar isso, disseram que não pretendiam realizar esses acordos de Minsk, fomos forçados – com o objetivo de parar o genocídio das pessoas que vivem nestes territórios, para reconhecê-los como Estados soberanos e independentes".
© Aleksei FilippovMinistro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov (à esquerda), e o secretário-geral da ONU, António Guterres, durante reunião em Moscou
Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov (à esquerda), e o secretário-geral da ONU, António Guterres, durante reunião em Moscou - Sputnik Brasil, 1920, 26.04.2022
Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov (à esquerda), e o secretário-geral da ONU, António Guterres, durante reunião em Moscou
Como consequência, "as Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk apelaram à Rússia por assistência em meio à agressão militar ucraniana, e Moscou foi forçada a responder com sua operação militar".
Segundo Putin, alguns acordos foram definidos, mas que "infelizmente, depois que esses acordos foram alcançados, e depois que Moscou deu passos para que as negociações continuassem, inclusive retirando tropas de áreas ao redor de Kiev e Chernigov, fomos recebidos com a provocação no assentamento de Bucha, que o Exército russo não tem nada a ver".
Militar da divisão das Tropas Aerotransportadas russas e Forças de Operações Especiais bielorrussas participam de exercícios militares conjunto - Sputnik Brasil, 1920, 30.03.2022
Panorama internacional
MD russo: Moscou realiza redistribuição planejada de forças nas direções de Kiev e Chernigov
"Sabemos quem fez isso [em Bucha], sabemos quem planejou essa provocação, quais recursos e pessoas estavam envolvidas", destacou Putin. Consequentemente, disse ele, "a posição de nossos negociadores com a Ucrânia mudou radicalmente".
O presidente também reiterou que a entrada da Rússia em Donbass foi "uma medida forçada para interromper o sofrimento de habitantes de alguns territórios", mas que "infelizmente nossos colegas do Ocidente preferiram não notar tudo isso".
Por fim, Putin afimou a Guterres que a luta em Mariupol acabou e contou ao secretário-geral que ele foi "enganado" sobre inatividade dos corredores humanitários no local, uma vez que eles estão funcionando.
Deslocados internos se preparam para embarcar em um trem de evacuação que parte para Lvov, um dia depois de chegar como parte de um comboio humanitário da cidade sitiada de Mariupol, em uma estação ferroviária na cidade de Zaporozhie, em 22 de abril - Sputnik Brasil, 1920, 22.04.2022
Panorama internacional
MD russo: moradores de Mariupol podem finalmente se mover sem se esconder de bombardeios neonazistas
Do lado da ONU, o secretário-geral disse que a organização "entende o quão difícil é a situação em Mariupol [...], estamos dispostos a mobilizar plenamente recursos logísticos e humanos junto à Cruz Vermelha". Guterres também expressou sua preocupação com os incidentes na Transnístria, assim como com qualquer declaração que possa escalar a situação.
"Entendo que a Federação da Rússia tem várias queixas sobre o que está acontecendo na Ucrânia, bem como a segurança em toda a Europa. Nossa posição é que essas queixas precisam ser resolvidas usando vários instrumentos que existem sob a Carta da ONU. Acreditamos firmemente que a violação da integridade territorial de qualquer país contraria a Carta da ONU e estamos seriamente preocupados com o que está acontecendo. No entanto, vim a Moscou com uma posição pragmática. Estamos seriamente preocupados com a situação humanitária na Ucrânia. As Nações Unidas não são parte das negociações políticas", afirmou.
A autoridade disse a Putin que violar a integridade de um Estado soberano vai contra os princípios da ONU, mas que no entanto, a organização está disposta a fazer qualquer esforço para resolver a situação.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала