Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Zelensky pede a Biden para incluir Rússia na lista de países 'patrocinadores do terrorismo', diz WP

© AP Photo / Evan VucciPresidente Joe Biden se encontra com o presidente ucraniano Vladimir Zelensky no Salão Oval da Casa Branca, 1º de setembro de 2021, em Washington, EUA
Presidente Joe Biden se encontra com o presidente ucraniano Vladimir Zelensky no Salão Oval da Casa Branca, 1º de setembro de 2021, em Washington, EUA - Sputnik Brasil, 1920, 15.04.2022
Nos siga noTelegram
Uma vez adicionado à lista de patrocinadores do terrorismo, é difícil para qualquer país se retirar da lista negra do Departamento de Estado. Para especialista, opção é uma medida "nuclear" para economia russa.
O líder ucraniano, Vladimir Zelensky, pediu diretamente ao presidente dos EUA, Joe Biden, para designar a Rússia como "Estado patrocinador do terrorismo" durante uma recente conversa telefônica com o mandatário norte-americano, relata o The Washington Post, citando pessoas familiarizadas com o assunto sob condição de anonimato.
De acordo com a mídia, Biden não se comprometeu com ações específicas durante a ligação, mas teria dito a seu colega ucraniano que está disposto a explorar uma série de propostas para exercer maior pressão sobre Moscou.
Tal medida pode ter uma série de impactos, incluindo a imposição de penalidades econômicas a dezenas de outras nações que continuam a fazer negócios com a Rússia, o congelamento dos ativos de Moscou nos Estados Unidos, incluindo imóveis, e a proibição de uma variedade de exportações que têm uso comercial e militar.
"Adicionar a Rússia à lista de patrocinadores do terrorismo seria a opção econômica nuclear", escreveu Jason Blazakis, ex-funcionário do Departamento de Estado e especialista em designações de terrorismo citado pela mídia.
O rótulo, que exige uma constatação do secretário de Estado, pode ser aplicado a qualquer país que tenha "repetidamente fornecido apoio a atos de terrorismo internacional", de acordo com uma ficha técnica do Departamento de Estado. A lista atualmente nomeia quatro países: Coreia do Norte, Cuba, Irã e Síria.
No mês passado, quando o secretário de Estado, Antony Blinken, foi questionado diretamente sobre o apoio dos EUA à designação em uma entrevista coletiva, Blinken teria dito que "vamos analisar tudo".
Militares ucranianos carregam um caminhão com o FGM-148 Javelin, míssil antitanque portátil americano fornecido pelos EUA à Ucrânia como parte de um apoio militar, após entrega no aeroporto Borispol, em Kiev, em 11 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 13.03.2022
Panorama internacional
Blinken: assistência dos EUA a Kiev deve ajudar Ucrânia a 'enfrentar ameaças blindadas e aéreas'
A decisão de adicionar um país é significativa porque, uma vez na lista, os países raramente são removidos. Tal movimento normalmente requer um evento extraordinário como a mudança de governo – que trouxe a remoção do Iraque da lista em 2004 após a derrubada de Saddam Hussein – ou um pivô significativo na política dos EUA.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала