Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Missões diplomáticas na Ucrânia estão recrutando mercenários, diz chancelaria russa

© Sputnik / Vitaly BelousovPlaca no prédio do Ministério das Relações Exteriores russo em Moscou
Placa no prédio do Ministério das Relações Exteriores russo em Moscou - Sputnik Brasil, 1920, 13.04.2022
Nos siga noTelegram
O vice-chanceler russo Oleg Syromolotov disse em entrevista à Sputnik que a situação na Ucrânia está sendo agravada pelo fluxo de mercenários recrutados pelas missões diplomáticas do país.
De acordo com suas palavras, "a situação se agrava pela afluência de mercenários à Ucrânia a partir dos países europeus e do Oriente Médio, cujo recrutamento, violando as normas do direito internacional, é efetuado inclusive pelas missões diplomáticas ucranianas".
Além disso, segundo seus dados, no último mês e meio, Washington entregou a Kiev armas no valor total de US$ 1,65 bilhão (R$ 7,71 bilhões), embora as autoridades ucranianas não sejam capazes de assegurar o armazenamento adequado das armas fornecidas pela OTAN. Assim, esse armamento pode acabar no mercado negro de outros países.

"Todas essas pessoas estão fortemente armadas graças ao fato de que nos últimos oito anos os Estados-membros da OTAN têm ativamente fornecido armas, munições e equipamento militar à Ucrânia. Desde o início da operação militar especial, o montante da assistência militar à Ucrânia aumentou significativamente. Somente no último mês e meio, Washington entregou armas a Kiev no valor total de US$ 1,65 bilhão, fornecendo milhares de sistemas de mísseis portáteis Stinger, milhares dos sistemas anti-tanque Javelin, morteiros e outros tipos de armamento", especificou o vice-chanceler russo.

Conforme ele, "é óbvio que as autoridades da Ucrânia, que não controlam as ações dos militantes, não serão capazes de assegurar um armazenamento seguro dessas armas, que consequentemente podem acabar nos mercados negros de outros países".
Placas de aviso perto dos armazéns de armas químicas russas antes de serem destruídas. - Sputnik Brasil, 1920, 12.04.2022
Panorama internacional
Nacionalistas ucranianos planejam terrorismo químico em Donbass, diz MRE russo
Atualmente, segue o diplomata, foram distribuídos sem controle na Ucrânia mais de 25 mil unidades de armas de fogo, a todos os que o desejassem, enquanto até o início da operação russa havia no país mais de cinco milhões de armas ilegais.
"Tal quantidade de armas e grupos paramilitares irregulares, certamente, aumentam os riscos de extremismo e terrorismo tanto na região europeia, como além dela", acredita o diplomata.
Em 24 de fevereiro de 2022, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou o início de uma operação especial militar para "desmilitarização e desnazificação da Ucrânia". O Ministério da Defesa da Rússia insiste que as Forças Armadas russas visam instalações da infraestrutura militar ucraniana, sem realizar ataques contra alvos civis em cidades.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала