Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Austrália e EUA pedem às Ilhas Salomão que reconsiderem pacto de segurança com China

© AP Photo / Mark SchiefelbeinO primeiro-ministro chinês Li Keqiang, à esquerda, e o primeiro-ministro das Ilhas Salomão, Manasseh Sogavare, revisam uma guarda de honra durante uma cerimônia de boas-vindas no Grande Salão do Povo em Pequim (foto de arquivo)
O primeiro-ministro chinês Li Keqiang, à esquerda, e o primeiro-ministro das Ilhas Salomão, Manasseh Sogavare, revisam uma guarda de honra durante uma cerimônia de boas-vindas no Grande Salão do Povo em Pequim (foto de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 13.04.2022
Nos siga noTelegram
O acordo entre China e Ilhas Salomão, que deve ser assinado em breve, causou sérias preocupações em Washington e seus aliados, resultando em uma infinidade de visitas a Honiara por autoridades norte-americanas e australianas este mês.
A Austrália e os EUA fizeram outra tentativa de persuadir as Ilhas Salomão a reconsiderar a assinatura de um acordo de segurança com a China.
Nesta quarta-feira (13), o ministro para o Desenvolvimento Internacional e o Pacífico da Austrália, Zed Seselja, se encontrou com o primeiro-ministro salomonense, Manasseh Sogavare, em Honiara, em uma tentativa de reduzir a presença militar chinesa na nação insular do Pacífico Sul.
"Pedimos às Ilhas Salomão, respeitosamente, que considerem não assinar o acordo e consultem a família do Pacífico no espírito de abertura e transparência regional, consistente com as estruturas de segurança de nossa região", disse Seselja após sua reunião com Sogavare.
A autoridade australiana assegurou ao premiê que Camberra está comprometida a trabalhar com os salomonenses em suas necessidades de segurança e fornecer assistência "rápida, transparente e com total respeito por sua soberania".
A Austrália já havia enviado seu chefe do Serviço Secreto de Inteligência, Paul Symon, e o diretor-geral de seu Escritório de Inteligência Nacional, Andrew Shearer, a Honiara para transmitir as preocupações que o acordo causou entre as nações do Pacífico.
O governo das Ilhas Salomão deu garantias aos australianos sobre o acordo bilateral de segurança e disse que não permitirá que Pequim construa uma base militar na região.
Três caças F-35C Joint Strike Fighters no USS Carl Vinson no mar do Sul da China, 14 de janeiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 05.04.2022
Panorama internacional
Almirante dos EUA adverte sobre possível conflito no Pacífico frente ao acordo Ilhas Salomão-China
Falando sobre a proposta de acordo China-Ilhas Salomão em Sydney nesta quarta-feira (13), o general David Berger, do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos, levantou preocupações sobre "a maneira como [isso] acontece e as consequências para as nações" envolvidas.
"Isto é, em outras palavras, uma extensão de 'ei, estamos aqui com um cheque, estamos aqui com dinheiro, gostaríamos de melhorar seu porto, seu aeródromo ou sua rodoviária'. E isso soa tão bom, até um ano ou seis meses depois", disse Berger, sugerindo que o acordo custará caro à nação do Pacífico a longo prazo.
O Ministério das Relações Exteriores da China disse também nesta quarta-feira (13), em resposta às visitas de autoridades australianas e norte-americanas, que a cooperação em segurança não é direcionada a terceiros e pode servir como um complemento eficaz à cooperação regional existente.
Scott Morrison, primeiro-ministro australiano, deixa coletiva de imprensa em Sydney, Austrália, 23 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 28.03.2022
Panorama internacional
Austrália: acordo da China com Ilhas Salomão procura 'restringir nossa capacidade de movimento'
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала