Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Guerra comercial: governo Biden diz querer 'reformas' e não 'divórcio' no comércio com China

© AP Photo / Rebecca DrokeA representante comercial dos EUA, Katherine Tai, após o primeiro dia da reunião do Conselho de Comércio e Tecnologia EUA-UE (TTC, na sigla em inglês) no prédio Hazelwood Green Mill 19, em Pittsburgh, 29 de setembro de 2021
A representante comercial dos EUA, Katherine Tai, após o primeiro dia da reunião do Conselho de Comércio e Tecnologia EUA-UE (TTC, na sigla em inglês) no prédio Hazelwood Green Mill 19, em Pittsburgh, 29 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 05.04.2022
Nos siga noTelegram
A representante comercial dos EUA, Katherine Tai, disse que a atual política dos Estados Unidos está focada no "realinhamento da economia global".
As declarações de Katherine Tai aconteceram uma semana depois de uma audiência no Congresso norte-americano, em que a representante disse que as conversas com a China se tornaram "indevidamente difíceis" e que os EUA precisam de novas estratégias para lidar com o comportamento anticompetitivo do governo chinês.
Nesta terça-feira (5), de acordo com reportagem do South China Morning Post (SCMP), Tai disse em uma entrevista ao canal de televisão Bloomberg, em Cingapura, que os EUA buscam realinhar suas relações comerciais com a China.

"Eu me concentraria realmente nos tipos de mudanças que estamos tentando trazer, que não são realmente sobre a interrupção do comércio ou o divórcio comercial. Elas realmente tratam de apresentar reformas e uma abordagem mais estratégica para o comércio", disse Tai.

Segundo o SCMP, a representante comercial norte-americana não deu detalhes de quais seriam as mudanças na dinâmica com a China, dizendo apenas que "serão criados incentivos para garantir que o relacionamento se mostre balanceado e justo" além de frisar que "o diabo está nos detalhes".
Dólar norte-americano e o yuan chinês são vistos nesta ilustração - Sputnik Brasil, 1920, 31.03.2022
Notícias do Brasil
Adeus, dólar? Banco Central do Brasil quadruplica reservas do yuan chinês
Katherine Tai está fazendo uma viagem de três dias a Cingapura, com o intuito de fortalecer o relacionamento comercial entre os dois países e também expandir a presença no Quadro Econômico Indo-Pacífico, indo de acordo com a estratégia do presidente Joe Biden de combater a China economicamente.
Sobre as críticas de que a Casa Branca vem recebendo sobre a falha em negociar a diminuição de tarifas em conversas sobre o quadro econômico, Tai disse na entrevista que não existe falta de ambição pela liderança política norte-americana.

"Para as pessoas que criticam nossa política comercial, é porque não estão nos ouvindo quando descrevemos quais são nossos objetivos, que é de trazer uma nova abordagem ao comércio que garanta que a política comercial possa ser e seja uma força para o bem", disse a representante comercial.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала