Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Austrália: acordo da China com Ilhas Salomão procura 'restringir nossa capacidade de movimento'

© AP Photo / Rick RycroftScott Morrison, primeiro-ministro australiano, deixa coletiva de imprensa em Sydney, Austrália, 23 de fevereiro de 2022
Scott Morrison, primeiro-ministro australiano, deixa coletiva de imprensa em Sydney, Austrália, 23 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 28.03.2022
Nos siga noTelegram
O primeiro-ministro e o vice-premiê da Austrália apontaram ambos o acordo de segurança entre as Ilhas Salomão e a China como tentativa de intimidar Camberra.
A Austrália negou na segunda-feira (28) ter sido apanhada de surpresa por um acordo sobre base naval entre as Ilhas Salomão e a China.
"Os relatos que temos visto não são uma surpresa para nós e são um lembrete das constantes pressões e ameaças apresentadas na nossa região para a nossa própria segurança nacional", comentou Scott Morrison, primeiro-ministro australiano.
Antony Blinken, secretário de Estado dos EUA, participa de coletiva de imprensa com Aiyaz Sayed-Khaiyum, primeiro-ministro fijiano, em Nadi, Fiji, 12 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 12.02.2022
Panorama internacional
Blinken visita Fiji para 'conter' influência da China no Pacífico
Enquanto isso, Barnaby Joyce, vice-premiê da Austrália, observou que a presença naval da China nas Ilhas Salomão apenas tem o objetivo de "intimidar" a Austrália ou "restringir nossa capacidade de movimento".
"Estamos engajados [com países insulares do Pacífico] porque não somos cegos às táticas de outras pessoas que estão passando pelo processo de tentar restringir nossa capacidade de movimento e nos intimidar", disse.
Jacinda Ardern, primeira-ministra da Nova Zelândia, qualificou o acordo entre os dois países de "fortemente preocupante", e Morrison falou com os líderes de Papua-Nova Guiné e Fiji para os persuadir contra esse processo, planejando ainda mais interações desse gênero. Já os EUA abriram em fevereiro uma embaixada nas Ilhas Salomão.
Manasseh Sogavare, primeiro-ministro das Ilhas Salomão, que trocou o reconhecimento diplomático de Taipé por Pequim em 2019, planeja realizar um discurso no Parlamento do país sobre o tratado de segurança com a China na manhã de terça-feira (29).
Em 2021, a Austrália assinou com os EUA e o Reino Unido um acordo que prevê a recepção de tecnologias de submarinos nucleares, sua construção e respetivos mísseis e material militar. A China se opõe a este pacto, acusando Washington de militarizar a região da Ásia-Pacífico.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала