- Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

'Russofobia insuportável': como as sanções contra o Kremlin afetam as pessoas comuns no Brasil?

© REUTERS / NICK IWANYSHYNManifestante segura cartaz que diz "Sancione a Rússia!" durante ato ao lado do Consulado ucraniano em Toronto, Canadá, 22 de fevereiro de 2022.
Manifestante segura cartaz que diz Sancione a Rússia! durante ato ao lado do Consulado ucraniano em Toronto, Canadá, 22 de fevereiro de 2022. - Sputnik Brasil, 1920, 24.03.2022
Nos siga noTelegram
Especiais
As inúmeras sanções impostas pelo Ocidente à Rússia têm atrapalhado a vida de muitas pessoas que lá estão — e que nada têm a ver com as grandes questões da geopolítica e nada podem fazer além de se adaptarem.
Entre essas, como se sabe, há muitos brasileiros. Contudo, ao contrário do que se pode imaginar em um primeiro momento, as restrições também têm afetado muitas pessoas em outros países, inclusive no Brasil.
Cidadãos russos, brasileiros e de outros lugares também têm sofrido, em território nacional, com os estigmas devido a ligações diretas ou indiretas com a Rússia, com as dificuldades para realizar transações e com as preocupações comerciais, entre outros inconvenientes.
Em conversa com a Sputnik Brasil, pessoas que têm laços estabelecidos com a Rússia narraram como têm sido suas rotinas e suas vidas após o desencadeamento da operação militar especial na Ucrânia.
O embaixador russo nos Estados Unidos, Anatoly Antonov, em Moscou, em 31 de março de 2021. - Sputnik Brasil, 1920, 15.03.2022
Panorama internacional
Embaixador russo nos EUA pede que imprensa americana 'pare de incitar russofobia'

'Contamos com a solidariedade de russos que moram no Brasil'

Casado com uma russa e distante de sua família, que atualmente reside e trabalha no país, o advogado Wagner Botelho conta que enfrenta alguns percalços para fazer transações financeiras internacionais.

"Por comodidade, eu fazia transferência para a Rússia por meio do aplicativo de um banco brasileiro. Desde que se iniciaram essas sanções no SWIFT [sistema que permite transações financeiras internacionais entre bancos], todas essas operações com as instituições financeiras brasileiras têm sido canceladas. A dificuldade que eu tenho tido é imensa, porque minha mulher não pode retirar dinheiro por cartão de crédito, porque lá não funciona o cartão de crédito com as bandeiras brasileiras. É muito difícil. Estamos contando com a solidariedade de russos que moram no Brasil, por exemplo, que precisam de reais. Eu deposito dinheiro na conta deles, e eles depositam em rublos na minha conta na Rússia. Existem também alguns mecanismos, de que estou tendo conhecimento agora, de empresas chinesas que estão trabalhando com cartões a partir dos quais é possível transferir o dinheiro para a Rússia", detalhou.

© Sputnik / Maksim Bogodvid / Abrir o banco de imagensCédulas de rublos.
Homem segurando cédulas de rublos - Sputnik Brasil, 1920, 24.03.2022
Cédulas de rublos.
Mas essa não é a única dificuldade pela qual Botelho passa. Sua mulher e seus dois filhos, de 15 e seis anos, não têm planos de se estabelecer no Brasil porque o mais velho segue estudando normalmente na Rússia e deve encerrar o ano letivo em agosto.

"Além disso, há uma onda de russofobia assustadora hoje no Brasil. Antes da operação, antes desta questão da Ucrânia, já existia uma russofobia. Em um colégio daqui [me disseram]: 'Ah, você é russo, então você é comunista, você é isso, você é aquilo'. Existia sempre um certo grau de desrespeito por parte das crianças e até de algumas famílias. Isso piorou absurdamente nos últimos meses. A russofobia está insuportável em todos os meios. Há, por exemplo, a mídia brasileira. Ela é uma mera repetidora da mídia estrangeira no que diz respeito à cobertura internacional. Então há canais estrangeiros que estão a serviço de seus países e bombardeiam os brasileiros com russofobia por 24 horas", lamenta ele.

Gennady Gatilov, embaixador russo, participa em sessão especial da ONU sobre a situação na Ucrânia em Genebra, Suíça, 3 de março de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 12.03.2022
Panorama internacional
'Inaceitável': porta-voz da ONU condena Meta por tolerar discurso de ódio contra militares da Rússia

Xenofobia em redes sociais

Professora de russo que vive no Brasil há oito anos, Valéria Fomina diz que nunca foi hostilizada pessoalmente por ser russa, mas que as ofensas se agravaram nas redes sociais após o começo do conflito.

"Dá para ver que eu sou diferente, mas muita gente acha que eu sou do sul do Brasil. As pessoas acham que eu sou alemã. Enfim, muito pouca gente de fato consegue adivinhar na hora, olhando para mim, que sou russa. Mas como tenho redes sociais com bastante seguidores, sempre participo ativamente e expresso minha opinião. Sempre falei sobre a Rússia e sobre cultura russa. E aí, obviamente, comecei a receber mensagens desagradáveis. Tem gente que ataca. Não só fala sobre a Rússia que 'a Rússia é isso, a Rússia é aquilo, a Rússia é assassina, a Rússia é um país que está matando gente'. Mas também houve pessoas que vieram me falar pessoalmente: 'Você é russa, não queremos você aqui, volte para a Rússia'. Eu não gostaria que tudo isso estivesse acontecendo. Fico muito triste porque recebo essas mensagens todos os dias, praticamente. Até hoje", desabafa.

Fomina, que tem família estabelecida na Rússia, classifica a situação de conflito como complicada e lembra que tem vários amigos que moram na Ucrânia, ou são da Ucrânia, e cujas famílias também moram lá.

“O povo russo e o povo ucraniano são dois povos muito próximos. Temos muito em comum. Então está sendo muito complicado ver um conflito entre povos irmãos, por assim dizer. Uma das piores partes de tudo isso é que a gente não sabe onde tudo isso vai parar, a gente não sabe se vai acabar já ou se vai demorar muitos meses. É triste ver que a situação chegou a esse ponto de precisar bombardear, de precisar usar armas. Eu sinceramente esperava que iria ser resolvida de alguma maneira até o último momento”, sintetiza.

Pessoas junto de monumento de pedra comemorando a Grande Guerra pela Pátria (parte da Segunda Guerra Mundial, compreendida entre 22 de junho de 1941 e 9 de maio de 1945, e limitada às hostilidades entre a União Soviética e a Alemanha nazista e seus aliados) no Parque Treptower em Berlim, Alemanha, 8 de março de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 11.03.2022
Panorama internacional
Duas instituições da Rússia são vandalizadas em Berlim
A professora narra que não está passando por dificuldades em transações financeiras internacionais, mas, caso quisesse transferir rublos para sua conta no Brasil, não conseguiria.
Ela acrescenta que tem acesso à sua conta russa pela Internet e, em caso de emergência, conseguiria fazer um depósito para sua família que está dentro do país.
Fomina sabe, contudo, que sua situação é uma exceção.

"Conheço pessoas no Brasil e no Rio de Janeiro que estudam aqui e recebem dinheiro dos pais lá da Rússia. Ou que, por exemplo, têm um apartamento na Rússia que alugam e recebem dinheiro por transferência para viver e ter uma renda aqui. Agora, essas pessoas estão sofrendo bastante porque não conseguem mais fazer isso facilmente. Inclusive tenho algumas amigas russas que trabalhavam para o público russo, tinham blogs e páginas nas redes sociais falando sobre algum tema e tendo público russo. Desde o começo do conflito, é quase impossível trabalhar para elas porque as redes sociais foram bloqueadas na Rússia. Outro ponto é que, mesmo se você ainda tem clientes na Rússia, essas pessoas não podem mais transferir dinheiro para a sua conta brasileira, americana, seja qual for. A situação é bem complicada", pondera.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала