- Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Em busca de cadeira no Senado, futuro apoio de Mourão a Bolsonaro é incerto, dizem analistas

© Mateus Bonomi/AgifEm Brasília, o presidente Jair Bolsonaro (então sem partido) e o vice-presidente Hamilton Mourão (então do PRTB) participam de evento no Palácio do Planalto em 13 de setembro de 2021.
Em Brasília, o presidente Jair Bolsonaro (então sem partido) e o vice-presidente Hamilton Mourão (então do PRTB) participam de evento no Palácio do Planalto em 13 de setembro de 2021. - Sputnik Brasil, 1920, 17.03.2022
Nos siga noTelegram
Especiais
O vice-presidente Hamilton Mourão se filiou ao partido Republicanos e lançou sua pré-candidatura ao Senado Federal pelo Rio Grande do Sul, seu estado natal. A Sputnik Brasil ouviu três especialistas sobre o assunto, que ponderaram o papel do vice-presidente no governo e um eventual apoio de Mourão a Bolsonaro em caso de êxito eleitoral.
Sem experiência política anterior, o vice-presidente lançou-se na política em 2018, após filiar-se ao PRTB e ser escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) para compor sua chapa. Militar de carreira, o general Antonio Hamilton Martins Mourão tornou-se conhecido em 2017, após defender um golpe militar em um evento maçônico. À época, a fala repercutiu e foi repreendida pelo comando do Exército, mas abraçada por Bolsonaro, então deputado federal pelo PSC.
Em 2015, Mourão já havia mostrado outro ponto em comum com seu futuro parceiro de chapa ao prestar homenagem póstuma ao torturador da Ditadura Militar Carlos Alberto Brilhante Ustra, o que fez Mourão ser removido do Comando Militar do Sul (CMS).
© Antonio MolinaEm Brasília, o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, é fotografado, em 12 de janeiro de 2022.
Em Brasília, o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, é fotografado, em 12 de janeiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 17.03.2022
Em Brasília, o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, é fotografado, em 12 de janeiro de 2022.
Apesar da aparente afinidade, o vínculo entre Mourão e Bolsonaro desde a vitória na eleição presidencial de 2018 se deteriorou a olhos vistos. Em diversos momentos os dois políticos estiveram publicamente em lados opostos. Para o cientista político Victor Leandro, professor da Universidade Federal Fluminense (UFF), essa relação "tensa e conturbada" deixou evidente que Bolsonaro não pretende repetir a chapa nas eleições deste ano.
"Não faz realmente o menor sentido Bolsonaro insistir em uma relação que desde o início não se mostrou muito fértil. Então, a escolha do vice vai ter um componente especial nesse ambiente ainda nebuloso de articulações e negociações para a composição de chapa", afirma o pesquisador em entrevista à Sputnik Brasil.

Desempenho 'pífio' e comportamento 'submisso'

Para Luciano Cerqueira, pesquisador associado do Laboratório de Políticas Públicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), o desempenho do general na vice-presidência foi "pífio" e "submisso" a Bolsonaro.
Para salientar esse papel de Mourão, o professor lembra da função ativa de José Alencar na construção de pontes com empresários quando foi vice-presidente dos governos de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) entre 2003 e 2010.

"Ficava até uma coisa meio constrangedora, porque ele é um militar de mais alta patente que o presidente da República, então todos ficavam pensando 'como esse cara vai seguir um capitão?'. Ele fez esse papel realmente submisso", diz Cerqueira à Sputnik Brasil.

© Folhapress / Frederico BrasilO Presidente Jair Bolsonaro e vice Hamilton Mourão durante cerimônia de lançamento do auxílio gás, realizado na cidade de Brasília, DF, 2 de dezembro de 2021
O Presidente Jair Bolsonaro e vice Hamilton Mourão  durante cerimônia de lançamento do auxílio gás,  realizado na cidade de Brasília, DF, 2 de dezembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 17.03.2022
O Presidente Jair Bolsonaro e vice Hamilton Mourão durante cerimônia de lançamento do auxílio gás, realizado na cidade de Brasília, DF, 2 de dezembro de 2021
O cientista político Marcus Ianoni, professor da Universidade Federal Fluminense (UFF), também cita um governo do PT, o de Dilma Rousseff, para salientar o que classifica como histórico brasileiro de rivalidade entre presidente e vice-presidente — no caso, referindo-se a Michel Temer (MDB). Para Ianoni, mesmo com o passado militar comum, Mourão e Bolsonaro "não se entenderam bem".

"O Mourão exerceu uma certa autonomia que desagradou a Bolsonaro, por exemplo, nos momentos de conflito com o Judiciário e com o Legislativo, nos quais Bolsonaro buscava jogar lenha na fogueira e Mourão preferia ser mais calmo, apagar o fogo. Esse processo levou a um desgaste da relação entre ambos", afirma o pesquisador à Sputnik Brasil.

Em meio aos atritos, apoio de Mourão a Bolsonaro é incerto

Para o cientista político Marcus Ianoni, os interesses do novo partido do vice-presidente brasileiro serão um fator relevante em um eventual apoio de Mourão a Bolsonaro, uma vez que o Republicanos compõe o chamado centrão.

"É algo que no momento não está garantido. O Republicanos pertence ao centrão e está meio insatisfeito com a falta de apoio de Bolsonaro em relação à participação desse partido, ao reconhecimento dos interesses do partido Republicanos nas alianças eleitorais nos diversos estados da federação", avalia.

© REUTERS / ADRIANO MACHADOO vice-presidente do Brasil Hamilton Mourão ao lado do presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio do Planalto em Brasília, Brasil, 11 de fevereiro de 2022
O vice-presidente do Brasil Hamilton Mourão ao lado do presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio do Planalto em Brasília, Brasil, 11 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 17.03.2022
O vice-presidente do Brasil Hamilton Mourão ao lado do presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio do Planalto em Brasília, Brasil, 11 de fevereiro de 2022
Já o pesquisador Luciano Cerqueira, acredita que mesmo que Mourão seja eleito senador, o vice-presidente não faria oposição a um eventual novo governo Bolsonaro. Segundo ele, apesar das diferenças evidenciadas nos últimos anos, ambos mantêm proximidade ideológica e política.
"Ele é um eleitor típico de Bolsonaro, é um conservador clássico, não faria oposição a Bolsonaro. Agora, temos que ter clareza também, que ele vai passar por uma disputa muito grande. Apesar de grande parte do eleitorado do Rio Grande do Sul ter votado em Bolsonaro, a disputa ao Senado não vai ser fácil", aponta Cerqueira, acrescentando que há outras candidaturas conservadoras no estado.
Conforme levantamento publicado pela CNN, há pelo menos sete pré-candidatos ao Senado no Rio Grande do Sul. O senador Lasier Martins (Podemos), deve tentar reeleição. A ex-senadora Ana Amélia Lemos deve se filiar ao PSD para tentar voltar ao Senado. O ex-governador José Ivo Sartori (MDB) também deve concorrer. Além deles, o deputado federal Paulo Pimenta (PT) e a ex-deputada federal Manuela D'Ávila (PCdoB) também devem concorrer à única vaga gaúcha ao Senado.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала