Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Venezuela condena sanções ocidentais contra a Rússia e afirma: 'OTAN não deveria existir'

© AP Photo / Matias DelacroixO ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Felix Plasencia, dá uma entrevista coletiva no Ministério das Relações Exteriores em Caracas, Venezuela, quarta-feira, 19 de janeiro de 2022
O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Felix Plasencia, dá uma entrevista coletiva no Ministério das Relações Exteriores em Caracas, Venezuela, quarta-feira, 19 de janeiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 14.03.2022
Nos siga noTelegram
Ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Félix Plasencia, disse à Sputnik que a Venezuela condena não apenas o avanço da OTAN para o leste, mas as sanções dos Estados Unidos e da União Europeia (UE) contra a Rússia.
Tendo em vista a tensão geopolítica estabelecida na Europa graças à proximidade da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) das fronteiras russas, o ministro afirmou que tais ações representam uma agressão per se.

"A própria OTAN é um anacronismo. Não deveria existir. A OTAN existe e foi criada para atacar o leste, e não há necessidade disso hoje.[...] Ninguém pode chegar a um acordo, e a expansão da OTAN até os limites da Rússia é em si uma agressão. Condenamos isso no passado e condenamos hoje", disse Plasencia.

"Condenamos veementemente a imposição de sanções pelos EUA e UE contra o povo russo e o governo da Rússia. As sanções são ilegais", disse Plasencia. O chanceler especificou que "medidas unilaterais, é claro, são ilegais, uma violação da Carta das Nações Unidas [ONU], uma violação dos princípios da comunidade internacional, não pode ser aceita. É ir pelo caminho do unilateralismo e não pelo caminho que se deve seguir, que deveria ser trabalhar todos em conjunto", afirmou ele.
"Sofremos medidas unilaterais contra nossa nação e as denunciamos em todos os lugares, a Rússia nos apoiou contra isso, no ano passado. Agradecemos ao povo russo e ao governo russo por isso", enfatizou Plasencia.
Bandeira chinesa (imagem de referência) - Sputnik Brasil, 1920, 12.03.2022
Panorama internacional
Sanções antirrussas não resolverão problemas e vão dificultar solução política, diz Pequim
O chanceler descreveu as sanções à cultura e à língua russas como um ato "desprezível, horrendo, xenófobo, terrível. É tão contra a humanidade, o ser humano. Os valores da cultura russa fazem parte dos valores do patrimônio mundial", denunciou Plasencia.
Questionado sobre qual será o futuro da América Latina enquanto está sob sanções econômicas e pressão militar dos EUA, o chanceler respondeu que "a unidade, a solidariedade e a integração entre nossos países são muito importantes".
"A longa história entre nossos países deveria ter sido de progresso, de unidade, de entendimento, de respeito aos nossos líderes no passado criando Estados livres, Washington no norte, Simón Bolívar no sul, hoje devemos trabalhar nisso. Liberdade, soberania, respeito e não a imposição unilateral de sanções", destacou Plasencia.
Segundo o ministro, "nem a todos os países latino-americanos estão sendo impostas sanções, porque alguns deles são aliados e próximos, e até acolhem bases militares dos EUA em seu território. Mas no nosso caso estamos sofrendo com a imposição de sanções" dos EUA há anos.
Homem passa pela Refinaria Petrozuata, no estado de Anzoátegui, no leste da Venezuela, em 13 de fevereiro de 2001. - Sputnik Brasil, 1920, 10.03.2022
Panorama internacional
Venezuela não se submeterá às condições impostas pelos EUA, diz deputado sobre petróleo

"Fazemos parte de um grupo de países, com a Rússia, com a China, e muitos outros países que protegem todo o corpo da Carta da ONU, que proclamam a paz, o entendimento, o multilateralismo e não o unilateralismo e a imposição de sanções", destacou Plasencia.

Muitos países ocidentais começaram a impor sanções contra a Rússia depois que o presidente Vladimir Putin reconheceu as repúblicas populares de Donetsk e Lugansk como Estados soberanos em 21 de fevereiro, lançando, três dias depois uma operação especial militar na Ucrânia, depois que ambas as repúblicas solicitaram ajuda diante da agressão de Kiev.
Em um caso sem precedentes, restrições individuais foram estendidas ao presidente russo e ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, enquanto que sanções setoriais, também pela primeira vez, incluem a desconexão da Rússia do sistema SWIFT, a paralisação das reservas internacionais de seu Banco Central, o fechamento do espaço aéreo para as companhias aéreas russas e a censura a meios de comunicação ligados ao Kremlin.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала