Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Meta revisa política que permitia discurso de ódio contra militares russos após série de críticas

© REUTERS / Dado RuvicSmartphone com logotipo do Facebook em frente de um logotipo do Meta, novo nome da empresa Facebook, 28 de outubro de 2021
Smartphone com logotipo do Facebook em frente de um logotipo do Meta, novo nome da empresa Facebook, 28 de outubro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 14.03.2022
Nos siga noTelegram
A empresa à frente do Facebook e Instagram vem sendo alvo de críticas por permitir o discurso de ódio e ameaças de violência contra soldados russos.
Nesta segunda-feira (14), a gigante empresa do ramo tecnológico Meta parece ter voltado atrás em sua política sobre a liberdade de expressão em temas envolvendo discursos de ódio. A Bloomberg teve acesso a uma publicação interna da empresa, assinada pelo presidente de assuntos globais da Meta, Nick Clegg.
"Agora nós estamos estreitando o foco para deixar explicitamente claro que as nossas regras não sejam interpretadas como uma tolerância à violência contra os russos de maneira geral", escreveu o presidente.
A política de discurso de ódio revisada da companhia é válida somente na Ucrânia e "apenas no contexto do discurso sobre a invasão militar russa da Ucrânia", esclareceu Nick Clegg. O presidente também salientou que a Meta "não permite declarações pedindo o assassinato de chefes de Estado", sem mencionar os presidentes da Rússia e Belarus.
Na última quinta-feira (10), a empresa havia instaurado uma mudança temporária na sua política de moderação de conteúdo em postagens no contexto da operação militar russa na Ucrânia. Os parâmetros liberavam publicações pedindo a morte do presidente russo, Vladimir Putin, e do presidente belarusso, Aleksandr Lukashenko, nos seguintes países: Ucrânia, Polônia, Rússia, Armênia, Azerbaijão, Estônia, Geórgia, Hungria, Letônia, Lituânia, Romênia e Eslováquia.
Além disso, a Meta também passou a permitir elogios ao Batalhão Azov, grupo militar ucraniano de cunho neonazista. O porta-voz da Meta, Joe Osborne, disse anteriormente que a empresa estava, "por enquanto, fazendo uma pequena exceção para elogios ao Batalhão Azov estritamente no contexto de defesa da Ucrânia, ou em seu papel como parte da Guarda Nacional da Ucrânia".
Gennady Gatilov, embaixador russo, participa em sessão especial da ONU sobre a situação na Ucrânia em Genebra, Suíça, 3 de março de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 12.03.2022
Panorama internacional
'Inaceitável': porta-voz da ONU condena Meta por tolerar discurso de ódio contra militares da Rússia
A embaixada russa nos EUA criticou firmemente a postura da empresa norte-americana, na sexta-feira (11), classificando as medidas como "políticas agressivas e criminosas que levam à incitação do ódio e à hostilidade perante os russos".
Stephane Dujarric, porta-voz do secretário-geral da ONU, António Guterres, também condenou a empresa Meta por permitir que usuários usem uma linguagem de ódio contra militares russos nas suas plataformas de Facebook e Instagram.
Na semana passada, a Rússia anunciou o banimento do acesso ao Facebook no país, em resposta às restrições de acesso à mídia russa na plataforma. Moscou também anunciou medidas contra Instagram e Twitter.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала