Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Ex-núncio sobre a Ucrânia: 'Não nos devemos deixar levar por falsificações óbvias da mídia'

© SputnikLançador múltiplo de foguetes BM-21 Grad em Devichki, região de Kiev, Ucrânia
Lançador múltiplo de foguetes BM-21 Grad em Devichki, região de Kiev, Ucrânia - Sputnik Brasil, 1920, 08.03.2022
Nos siga noTelegram
O arcebispo Carlo Maria Viganò, ex-núncio em Washington entre 2011 e 2016, decidiu falar sobre a crise na Ucrânia, retomada por algumas mídias tradicionalistas.
O ex-núncio acusou a administração de Biden, a União Europeia e a OTAN de serem responsáveis pela escalada na Ucrânia.

"Se observarmos o que está acontecendo na Ucrânia, sem nos deixarmos levar pelas falsificações óbvias da mídia, percebemos que os direitos das duas partes foram completamente ignorados; parece que a administração Biden, a OTAN e a União Europeia querem deliberadamente manter uma situação de desequilíbrio, precisamente para tornar impossível qualquer tentativa de solução pacífica da crise ucraniana, provocando a Rússia para desencadear um conflito", afirmou Carlo Maria Viganò.

Além disso, o ex-núncio expressou consternação por "ver com que hipocrisia a União Europeia e os EUA dão apoio incondicional ao presidente Zelensky, cujo governo tem continuado ao longo de oito anos a perseguir impunemente os ucranianos de língua russa".
Carlo Maria Viganò defende uma "aliança antiglobalista unindo os povos em oposição à tirania da Nova Ordem Mundial".
Em Moscou, o presidente russo, Vladimir Putin, participou da cerimônia de hasteamento da bandeira na balsa Marechal Rokossovsky, em 4 de março de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 07.03.2022
Panorama internacional
Putin: missões na Ucrânia são realizadas apenas por militares profissionais
Em 24 de fevereiro, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou o início de uma operação especial da Rússia na Ucrânia.
Entre os principais objetivos da operação estão a "desmilitarização e desnazificação da Ucrânia" para proteger a população da região de Donbass e para prevenir um ataque contra a Rússia a partir do território da Ucrânia em meio a ações agressivas da OTAN e avanço do bloco para o leste europeu.
Já foram realizadas três rodadas das negociações entre Kiev e Moscou.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала