Pessoas usando máscaras de proteção caminham por rua em Paris, França, 27 de maio de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Sociedade e cotidiano
As principais notícias, reportagens e artigos sobre sociedade e a rotina cotidiana.

Astrônomos detectam pela 1ª vez erupções de 'ventos mornos' de uma estrela de nêutrons

© AP Photo / NASA, JPL-CaltechUm pulsar - estrela de nêutrons muito pequena e muito densa
Um pulsar - estrela de nêutrons muito pequena e muito densa - Sputnik Brasil, 1920, 05.03.2022
Nos siga noTelegram
Estrelas de nêutrons emitem potentes ventos mornos depois de engolir seus companheiros estelares, aponta novo estudo.
As estrelas de nêutrons são restos de estrelas mais maciças cujo ciclo de vida chegou ao fim e acabaram por explodir em violentas supernovas, deixando um núcleo denso que continua colapsando sobre si mesmo.
Estes corpos celestes são os objetos mais densos conhecidos no Universo, além de buracos negros, que se formam quando estrelas ainda maiores explodem, escreve portal Space.
Em alguns casos, as estrelas de nêutrons têm um companheiro estelar a partir do qual sugam o material, formando o que é conhecido como um sistema binário de baixa massa emissora de raios X.
Os cientistas tinham conhecimento de que as estrelas de nêutrons ejetam porções de matéria de volta para o Espaço na forma de ventos ou jatos.
Anteriormente, os astrônomos tinham detectado ventos que eram muito quentes ou extremamente frios, mas o novo estudo aponta que ventos mornos também podem ser liberados.
"As estrelas de nêutrons têm uma imensa força gravitacional que lhes permite engolir gás de outras estrelas. No entanto, grande parte do gás que as estrelas de nêutrons sugam não é consumida, mas lançada no espaço em alta velocidade. Este comportamento tem um grande impacto tanto sobre a própria estrela de nêutrons como em suas imediações", disse em comunicado Nathalie Degenaar, coautora do estudo da Universidade de Amsterdã.
Usando dados do telescópio espacial Hubble da NASA, do satélite XMM-Newton da Agência Espacial Europeia (ESA), do Observatório Europeu do Sul (ESO), do telescópio VLT e do Grande Telescópio das Canárias (GTC), os astrônomos estudaram o sistema binário de raios X Swift J1858.
Aglomerado de galáxias Abell 2597 - Sputnik Brasil, 1920, 06.02.2022
Sociedade e cotidiano
NASA mostra 'show de luzes' com estrelas e nebulosas no Universo (FOTOS)
As suas observações registraram erupções de ventos quentes, mornos e frios da estrela de nêutrons à medida que ela devorava matéria de seu companheiro estelar.
"Erupções como estas são raras, e cada uma delas é única. Normalmente, elas são muito obscurecidas por poeira interestelar, o que torna sua observação muito difícil. O sistema Swift J1858 é especial, porque mesmo estando localizado do outro lado de nossa galáxia, o obscurecimento era baixo o suficiente para permitir um exame completo do comprimento de onda múltiplo", disse o autor principal do estudo Noel Castro Segura, astrônomo da Universidade de Southampton no Reino Unido.
A combinação de dados do espaço e de telescópios terrestres permitiu aos pesquisadores estudar a estrela de nêutrons em diferentes comprimentos de onda do espectro eletromagnético.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала