Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Moscou não tem planos de ocupar a Ucrânia, diz enviado da Rússia à ONU

© REUTERS / Carlo AllegriEm Nova York, o representante da Rússia na Organização das Nações Unidas (ONU), Vasily Nebenzya, participa de reunião do Conselho de Segurança da ONU, em 21 de fevereiro, em 2022
Em Nova York, o representante da Rússia na Organização das Nações Unidas (ONU), Vasily Nebenzya, participa de reunião do Conselho de Segurança da ONU, em 21 de fevereiro, em 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 28.02.2022
Nos siga noTelegram
Segundo representante da Rússia na ONU, Moscou realiza operação especial a fim de proteger as pessoas que foram submetidas a abusos na região de Donbass ao longo dos últimos oito anos. Entretanto, a Rússia não tem intenção de ocupar a Ucrânia.
Nesta segunda-feira (28), o representante permanente da Rússia nas Nações Unidas, Vasily Nebenzya, disse que Moscou não tem planos de "ocupar" a Ucrânia, e que as forças russas não representam nenhuma ameaça aos civis ucranianos ou à infraestrutura civil.
"A ocupação da Ucrânia não faz parte dos nossos planos. O objetivo desta operação especial é proteger as pessoas que foram submetidas a abusos e genocídios pelo regime de Kiev durante oito anos. Para isso, é necessário desmilitarizar e desnazificar a Ucrânia", afirmou Nebenzya na Assembleia Geral da Nações Unidas.
De acordo com Nebenzya, a operação militar incluiu o exercício do direito de autodefesa de Moscou "contra um regime que procurou restaurar o acesso a armas nucleares".
Quando declara tal fato, o representante se refere às afirmações do presidente ucraniano, Vladimir Zelensky, na Conferência de Segurança de Munique em 19 de fevereiro, na qual ele ameaçou revisar o status não nuclear de Kiev.
"Quero enfatizar o seguinte: a raiz da crise atual está nas ações da própria Ucrânia. Por muitos anos, ela sabotou e desprezou suas obrigações sob o pacote de medidas de Minsk", disse Nebenzya, referindo-se aos Acordos de Minsk de 2015.
Ao longo de suas declarações, o representante explicou que para a situação não ter chegado a uma operação militar especial, era necessário era o diálogo direto, conforme estabelecido no documento entre as repúblicas populares de Donetsk e Lugansk.
Zelensky marionete - Sputnik Brasil, 1920, 28.02.2022
Panorama internacional
Armando a marionete
"Recentemente, muito recentemente, havia a esperança de que Kiev reconsiderasse e cumprisse o que assinou em 2015. Para isso, em primeiro lugar, o que era necessário era o diálogo direto, conforme estabelecido no documento entre Donetsk e Lugansk. A última confirmação da liderança sênior do país foi que a Ucrânia não estava disposta a se engajar nesse diálogo, não estava disposta a tomar medidas para conceder status especial a Donbass, conforme estabelecido nos Acordos de Minsk, e isso foi ativamente apoiado pelos patronos ocidentais de Kiev. Isso definitivamente nos convenceu do fato de que não tínhamos mais o direito de permitir que os moradores de Donbass sofressem mais."
Militar do Exército da Ucrânia que entregou as armas voluntariamente assina declaração de não participação de ações militares na República Popular de Lugansk - Sputnik Brasil, 1920, 28.02.2022
Panorama internacional
Centenas de militares ucranianos entregam armas em meio à operação especial da Rússia
Ao mesmo tempo, Nebenzya diss que "nos esforçaremos para levar à justiça aqueles que cometeram numerosos e sangrentos crimes contra civis, incluindo cidadãos da Federação da Rússia".
O embaixador russo também comentou sobre os papéis de Washington e da OTAN na escalada do conflito ucraniano, dizendo que "a implantação da infraestrutura da OTAN na [Ucrânia] nos forçaria a tomar medidas de retaliação que colocariam a Rússia e a OTAN à beira do conflito".
Caminhões e helicóptero das Forças Armadas da Rússia em Armyansk, no norte da Crimeia. - Sputnik Brasil, 1920, 25.02.2022
Panorama internacional
OTAN não é bloco econômico e deveria ter sido desmantelada, diz pesquisador
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала