Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Ao tentarem sair da Ucrânia, africanos e indianos acusam oficiais de racismo e violência (VÍDEOS)

© REUTERS / Bryan WoolstonPessoas saindo da Ucrânia clamam para embarcar em um ônibus com destino a um centro de refugiados estabelecido em Przemysl, em Medyka, Polônia, em 28 de fevereiro de 2022
Pessoas saindo da Ucrânia clamam para embarcar em um ônibus com destino a um centro de refugiados estabelecido em Przemysl, em Medyka, Polônia, em 28 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 28.02.2022
Nos siga noTelegram
Relatos de maus-tratos, assédio e racismo se multiplicam nas redes sociais com vídeos mostrando a ação de guardas de fronteira ucranianos impedindo estudantes indianos e africanos de atravessarem para Polônia.
De acordo com a ONU, cerca de 368.000 pessoas fugiram da Ucrânia para a Polônia, Hungria, Romênia e Moldávia nos últimos dias. A organização relatou longas filas de pessoas esperando para atravessar, especialmente para Polônia, o principal destino para quem deixa o território ucraniano.
Em meio a essa grande quantidade de pessoas, estão estudantes africanos e indianos que estavam cursando universidades no país. No entanto, há relatos de que esse grupo de pessoas está enfrentando racismo e maus-tratos por parte de oficiais ucranianos ao cruzarem a fronteira.
O principal líder do partido de oposição da Índia e parlamentar do Congresso, Rahul Gandhi, compartilhou nesta segunda-feira (28) um guarda de fronteira ucraniano visto chutando um estudante indiano na fronteira.
Meu coração está com os estudantes indianos que sofrem tanta violência e suas famílias assistindo a esses vídeos. Nenhum pai deveria passar por isso. O governo da Índia deve compartilhar urgentemente o plano detalhado de evacuação com os presos e suas famílias. Não podemos abandonar nosso próprio povo.
Uma estudante indiana que teria que voltar da fronteira polonesa após ter seu passe negado, alegou que alguns de seus compatriotas sofreram fraturas após agressões das autoridades.
"A situação está piorando a cada dia. O que está acontecendo é que eles estão nos torturando. Estudantes indianos estão sendo torturados. Eles não estão nos permitindo atravessar para a Polônia. Até as estudantes estão sendo assediadas. Estão sendo puxadas pelos cabelos e algumas mulheres sofreram fraturas e ferimentos", disse Mansi Chaudhary, um estudante indiano, segundo o canal de notícias indiano NDTV.
© REUTERS / Bryan WoolstonPessoas saindo da Ucrânia clamam para embarcar em um ônibus com destino a um centro de refugiados estabelecido em Przemysl, em Medyka, Polônia, em 28 de fevereiro de 2022
Pessoas saindo da Ucrânia clamam para embarcar em um ônibus com destino a um centro de refugiados estabelecido em Przemysl, em Medyka, Polônia, em 28 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 28.02.2022
Pessoas saindo da Ucrânia clamam para embarcar em um ônibus com destino a um centro de refugiados estabelecido em Przemysl, em Medyka, Polônia, em 28 de fevereiro de 2022
A mesma coisa estaria sendo feita com estudantes africanos. Em um vídeo onde universitários tentam cruzar a fronteira, os mesmos são impedidos sendo ameaçados com armas.
Estudantes africanos que não podem ser autorizados pelas autoridades ucranianas a atravessarem para a Polônia. Alguns voltaram para a Ucrânia. Se eu disser que eles são tratados dessa maneira por causa da cor da pele, meus companheiros africanos que estão atualmente pró-Ucrânia vão me atacar. Eles são humanos de segunda classe?
Outro vídeo que provocou indignação generalizada mostra guardas ucranianos impedindo africanos de embarcarem em um trem para a Polônia.
Estudantes africanos na Ucrânia foram impedidos de embarcar em um trem para a Polônia pelos ucranianos e aqueles que chegaram à fronteira foram impedidos de entrar.
Acredita-se que milhares de estudantes africanos de países como África do Sul e Nigéria estejam estudando em universidades ucranianas. Um estudante africano que fugiu de Kiev para a fronteira ocidental com a Polônia relatou à Al-Jazeera que foi assaltado por alguns moradores a caminho de seu destino.
"Eles são cidadãos normais que nos impediram, africanos, de dirigir até a fronteira. Eles deixaram os ucranianos passarem, mas não nós", disse Samuel George, um estudante de engenharia do primeiro ano à emissora.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала