- Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Autoridades do G7 pressionam posição do Brasil ante crise ucraniana; Blinken liga para Carlos França

© Pedro LadeiraO ministro das Relações Exteriores, Carlos França, 20 de janeiro de 2022
O ministro das Relações Exteriores, Carlos França, 20 de janeiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 25.02.2022
Nos siga noTelegram
Sexta-feira (25) agitada para diplomacia brasileira: de manhã, Itamaraty recebeu ligação não programada do secretário de Estado dos EUA para tratar crise, e no final da tarde, representantes de embaixadas que compõem o G7 pediram ao Brasil que condene Moscou em votação na ONU.
O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, ligou para o chanceler brasileiro, Carlos França, para falar sobre a crise ucraniana nesta sexta-feira (25), conforme publicado no Twitter oficial do Ministério das Relações Exteriores do Brasil.
Segundo a nota do Itamaraty sobre o telefonema, as autoridades discutiram "o que é possível fazer para encerrar as operações militares em curso, restaurar a paz e impedir que a população civil continue a sofrer as consequências do conflito". De acordo com o G1, a conversa não estava prevista na agenda oficial de França.
Na terça-feira (24), o MRE do Brasil publicou uma nota e apelou para uma "solução diplomática da crise com base nos Acordos de Minsk", levando em consideração a segurança de todas as partes envolvidas e proteção da população civil.
Presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante a coletiva de imprensa, 22 de fevereiro de 2022. - Sputnik Brasil, 1920, 22.02.2022
Panorama internacional
Reconhecemos Donbass porque Kiev declarou publicamente que não cumprirá Acordos de Minsk, diz Putin
Também nesta sexta-feira (25), representantes de embaixadas que compõem o G7 se reuniram em Brasília e defenderam que o governo brasileiro condene Moscou pela crise ucraniana durante a reunião do Conselho de Segurança da ONU que deve acontecer ainda hoje (25).

"Hoje [25] é um dia muito importante em Nova York, porque uma resolução muito firme, muito forte vai ser apresentada ao Conselho de Segurança. E esperamos que o Brasil vote a favor dessa resolução e que condene a invasão à Ucrânia", disse Brigitte Collet, embaixadora da França no Brasil citada pelo G1.

Outra autoridade que se manifestou foi o embaixador da Alemanha em Brasília, Heiko Thoms, o qual reforçou que o voto e o Brasil são "importantes".

"Eu só queria lembrar que o Brasil, quando foi eleito para o conselho, mencionou algumas prioridades, e a primeira foi a defesa da Carta das Nações Unidas e a defesa dos princípios do direito internacional", afirmou Thoms.

Na mesma linha, o embaixador do Japão, Teiji Hayashi, pontuou que a questão entre a Rússia e a Ucrânia não é apenas um problema europeu e pode acontecer "na Ásia, na América Latina e em outras regiões internacionais", e por isso, "estamos falando com os colegas latino-americanos, com o governo brasileiro, para colaborar mais".
O G7 é composto por Alemanha, França, Itália, Reino Unido, Canadá, Japão e Estados Unidos.
Até o momento, o presidente, Jair Bolsonaro (PL), não se posicionou sobre o assunto, mas decretou ontem (24) que os comunicados do Itamaraty sobre a crise na Ucrânia serão aprovados por ele, conforme noticiado.
Presidente da Ucrânia, Vladimir Zelensky, durante seu discurso na abertura da COP26 em Glasgow, Escócia, 1º de novembro de 2021. - Sputnik Brasil, 1920, 25.02.2022
Panorama internacional
Ucrânia se recusa a negociar com Rússia
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала