Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Macron, na França, faz aposta 'histórica' em energia nuclear

© REUTERS / Johanna GeronImagem mostra a usina nuclear de Doel, na Bélgica, em 1º de fevereiro de 2022
Imagem mostra a usina nuclear de Doel, na Bélgica, em 1º de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 10.02.2022
Nos siga noTelegram
O presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou nesta quinta-feira (10) que o seu governo apoiará a construção de seis novos reatores nucleares em todo o país.
Em pronunciamento em uma fábrica na França, o presidente francês explicou que primeiro reator entrará em serviço em 2035.
"Devemos continuar a grande aventura da energia nuclear na França", disse Macron, acrescentando em seguida que também será feito um estudo para avaliar a viabilidade de mais oito reatores.

"Dadas as necessidades de eletricidade, a necessidade de antecipar a transição, o fim da frota existente, vamos lançar hoje [10] um programa de novos reatores nucleares", declarou Macron.

As seis novas unidades serão EPRs, originalmente conhecidas como reatores de água pressurizada europeus.
Elas foram projetadas e desenvolvidas pela empresa francesa Framatome e sua controladora Électricité de France (EDF). A tecnologia também está sendo usada na usina de energia Hinkley Point, no Reino Unido, e em Taishan, na China.

"Algumas nações fizeram escolhas radicais neste período para dar as costas à energia nuclear. A França não fez essa escolha", disse Macron, segundo informações do Le Monde.

Os novos reatores EPR serão complementados por pequenos reatores modulares (SMR) com o objetivo de criar "25 gigawatts de nova capacidade nuclear até 2050", disse Macron.
O presidente acrescentou que tomou outras duas grandes decisões. Ele disse que pediu à EDF que estudasse as condições para estender a vida útil de um reator além de 50 anos, e afirmou que queria que os reatores futuros fossem duradouros.
A França apoiou fortemente o desenvolvimento de sua indústria nuclear ao longo das últimas quatro décadas, no entanto, a vizinha Alemanha eliminou a energia nuclear, com preocupações ambientais e de segurança.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала