Manhã com Sputnik Brasil: destaques desta segunda-feira, 7 de fevereiro

© REUTERS / Joe GiddensRainha britânica Elizabeth II fotografada em Sandringham House para marcar seu Aniversário de Platina, Reino Unido, 5 de fevereiro de 2022
Rainha britânica Elizabeth II fotografada em Sandringham House para marcar seu Aniversário de Platina, Reino Unido, 5 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 07.02.2022
Nos siga noTelegram
Bom dia! A Sputnik Brasil está acompanhando as matérias mais relevantes desta segunda-feira (7), marcada pelas visitas oficiais de Emmanuel Macron à Rússia e de Olaf Scholz aos EUA, pelas acusações de genocídio nos EUA pela China e pelo 70º aniversário da subida ao trono da rainha Elizabeth II.

Hospital de SP: nos últimos 3 meses, 85% dos óbitos por COVID-19 estava sem vacinação completa

Segundo um levantamento exclusivo realizado pelo Hospital Emílio Ribas, em São Paulo, a cada cinco internados, quatro não se vacinaram ou estão com doses atrasadas. De acordo com ele, 85% dos mortos no local não completaram seu curso de vacinação. A situação com ocupação de UTIs da COVID-19 se agravou abruptamente em decorrência da disseminação da Ômicron. No hospital paulista, 100% dos leitos destinados aos pacientes com coronavírus estão ocupados. "Em sua maioria são pessoas que estão com ciclos vacinais incompletos, principalmente as que têm comorbidades, incluindo a idade mais avançada", contou ao G1 Leandro Reis, vice-presidente médico da rede. Entretanto, o Brasil confirmou mais 420 mortes e 64.591 casos de COVID-19, totalizando 632.289 óbitos e 26.536.597 diagnósticos da doença, informou o consórcio entre secretarias estaduais de saúde e veículos de imprensa.
© Folhapress / Adriano VizoniUTI de atendimento exclusivo a crianças com COVID-19 do Hospital Cândido Fontoura, o maior do estado de São Paulo, 5 de fevereiro de 2022
UTI de atendimento exclusivo a crianças com COVID-19 do Hospital Cândido Fontoura, o maior do estado de São Paulo, 5 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 07.02.2022
UTI de atendimento exclusivo a crianças com COVID-19 do Hospital Cândido Fontoura, o maior do estado de São Paulo, 5 de fevereiro de 2022

Ministro Ciro Nogueira prevê duelo Lula x Bolsonaro pela menor rejeição no 2º turno

Em entrevista de ontem (6), o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o atual presidente Jair Bolsonaro estarão no segundo turno em disputa por menor rejeição. A entrevista foi exibida pela BandNews TV e pela Band. O ministro descartou a possibilidade de sucesso de uma terceira via na corrida pela presidência. Mesmo que o mandatário sofra com uma "polarização jamais vista na história" do Brasil, Ciro Nogueira disse acreditar na reeleição de Bolsonaro. Segundo o ministro, o chefe do Executivo tem se dedicado ao que importa em vez de alimentar um clima de instabilidade, e consta que o eleitor brasileiro estará mais afastado do PT.
© Folhapress / Fabrício Costa/Futura PressAmbulante vende bandeira de Jair Bolsonaro e Lula no mesmo "varal" na cidade de Santos, São Paulo, 25 de janeiro de 2022
Ambulante vende bandeira de Jair Bolsonaro e Lula no mesmo varal na cidade de Santos, São Paulo, 25 de janeiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 07.02.2022
Ambulante vende bandeira de Jair Bolsonaro e Lula no mesmo "varal" na cidade de Santos, São Paulo, 25 de janeiro de 2022

Esforços para resolver crise ucraniana: Macron chega a Moscou; Scholz visita Washington

O presidente russo Vladimir Putin receberá hoje (7) o presidente francês Emmanuel Macron, no Kremlin, para negociações sobre segurança e a situação na Ucrânia. Macron passará a segunda-feira na capital russa, antes de partir para Kiev, na terça-feira (8) para se reunir com o presidente ucraniano Vladimir Zelensky. Na semana passada, Putin e Macron tiveram duas conversas telefônicas, em um esforço de atenuar as tensões entre a Rússia e a Ucrânia. Enquanto isso, o chanceler alemão Olaf Scholz se reúne hoje (7) com o presidente americano Joe Biden em Washington, também em uma tentativa de ajudar a ultrapassar a crise atual em torno da Ucrânia. Apesar de declarar sua solidariedade completa com Kiev, Berlim tem sido criticada pelos aliados da OTAN, sobretudo após se recusar a enviar armas para a Ucrânia, bem como pelo seu desejo de manter o gasoduto Nord Stream 2 (Corrente do Norte 2) fora de eventuais sanções à Rússia. Em entrevista ao The Washington Post, o chanceler Scholz explicou a decisão de não enviar o armamento a Kiev: "Existem rigorosos critérios de exportação, que observamos ao exportar nossas armas para regiões em crise".
© REUTERS / HANNIBAL HANSCHKEPresidente russo, Vladimir Putin, e o presidente francês, Emmanuel Macron, durante cúpula em Berlim, Alemanha, 19 de janeiro de 2020
Presidente russo, Vladimir Putin, e o presidente francês, Emmanuel Macron, durante cúpula em Berlim, Alemanha, 19 de janeiro de 2020 - Sputnik Brasil, 1920, 07.02.2022
Presidente russo, Vladimir Putin, e o presidente francês, Emmanuel Macron, durante cúpula em Berlim, Alemanha, 19 de janeiro de 2020

Representante da China na ONU aponta para crimes de guerra e genocídio nos EUA

O representante permanente da China na ONU, Zhang Jun, apontou hoje, segunda-feira (7) para o extermínio do povo indígena dos EUA e os crimes militares de Washington. O comentário foi provocado pelas palavras de sua colega americana, Linda Thomas-Greenfield, embaixadora americana na ONU, que em entrevista à CNN acusou Pequim de genocídio dos uigures. Zhang Jun notou que, enquanto os EUA falam em direitos humanos, eles mesmos batem recordes de violação desses direitos. "A sistemática limpeza étnica e homicídios em massa dos americanos nativos no decorrer de toda a história norte-americana é um verdadeiro genocídio e crime contra a humanidade. Os assassinatos sistemáticos da população civil, inclusive de mulheres e crianças, pelos militares americanos na Síria, Afeganistão e Iraque, já são crimes de guerra", afirmou. Conforme o diplomata chinês, os EUA enfrentam atualmente grandes problemas econômicos e sociais. Em tais condições, ele exortou os políticos americanos a resolverem seus próprios problemas, "em vez de insistirem na ideia de superioridade dos Estados Unidos" sobre todos os outros povos.
© REUTERS / ANDREW KELLYRepresentante permanente da China na ONU, Zhang Jun
Representante permanente da China na ONU, Zhang Jun - Sputnik Brasil, 1920, 07.02.2022
Representante permanente da China na ONU, Zhang Jun

Rainha britânica marcou 70º aniversário de subida ao trono

Ontem, domingo (6) se assinalaram os 70 anos da subida ao trono da rainha Elizabeth II do Reino Unido. Ela é a monarca que reinou por mais tempo na história do país, sendo a primeira a atingir a marca de 70 anos no trono. Ela se tornou rainha após a morte de seu pai, o rei George VI, no dia 6 de fevereiro de 1952, enquanto estava em viagem ao Quênia, tendo sido oficialmente coroada em junho desse ano. Em mensagem no domingo, Elizabeth II anunciou que quer que a duquesa da Cornualha seja a rainha Camilla "quando o tempo chegar". O príncipe Charles parabenizou sua mãe pelo "feito incrível de servir a nação" por 70 anos. As celebrações por ocasião do Aniversário de Platina serão realizadas durante todo o ano de 2022 no Reino Unido e na Comunidade das Nações, que inclui 54 Estados-membros, a maioria deles antigas colônias britânicas. O presidente da China, Xi Jinping, encaminhou seus parabéns à rainha, que tem sido uma testemunha de longa data do desenvolvimento dos laços entre os dois países. O Reino Unido e a China assinalam 50 anos de relações diplomáticas neste ano.
© REUTERS / Joe GiddensRainha britânica Elizabeth II corta bolo para celebrar início de seu Aniversário de Platina em Sandringham House, Reino Unido, 5 de fevereiro de 2022
Rainha britânica Elizabeth II corta bolo para celebrar início de seu Aniversário de Platina em Sandringham House, Reino Unido, 5 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 07.02.2022
Rainha britânica Elizabeth II corta bolo para celebrar início de seu Aniversário de Platina em Sandringham House, Reino Unido, 5 de fevereiro de 2022

Incêndio perto do Museu d’Orsay em Paris está sob controle

Um grande incêndio atingiu um prédio perto do Museu d’Orsay na capital francesa na tarde do domingo (6). Os bombeiros informaram que o fogo está controlado. O incêndio é "considerado extinto", informou um representante do Departamento de Bombeiros de Paris, acrescentando que há ainda muito trabalho de limpeza a fazer, a fim de evitar qualquer reacendimento do fogo. O incêndio irrompeu em uma mansão de quatro andares em construção perto do Museu d'Orsay e também ao lado da residência oficial do embaixador alemão na França. A causa do fogo não foi determinada. Não houve vítimas e nenhum dano foi causado aos edifícios circundantes, inclusive à residência do embaixador.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала