Pessoas usando máscaras de proteção caminham por rua em Paris, França, 27 de maio de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Sociedade e cotidiano
As principais notícias, reportagens e artigos sobre sociedade e a rotina cotidiana.

Artefatos sinistros encontrados no Peru podem ser resposta aos 'conquistadores' (FOTO)

© Foto / karlomansonRuína em sítio arqueológico no Peru (imagem de referência)
Ruína em sítio arqueológico no Peru (imagem de referência) - Sputnik Brasil, 1920, 02.02.2022
Nos siga noTelegram
Objetos encontrados pertenciam a um único indivíduo e consistiam de quatro a dez de seus ossos.
Um novo estudo publicado nesta quarta-feira (2) na revista Antiquity trouxe um significado ainda mais profundo às quase 200 espinhas humanas entrelaçadas em varetas descobertas no Peru, no vale de Chincha (a 200 km de Lima), região que entre os séculos XI e XV abrigava o velho povo chincha.
Embora o caráter especial desses objetos fosse bem conhecido dos agricultores locais, foi apenas nos últimos anos que eles chamaram a atenção dos cientistas. Uma equipe internacional de arqueólogos britânicos, americanos e colombianos analisou os 192 conjuntos de vértebras de adultos e adolescentes encontrados perto e dentro de chullpas, torres de sepultamento sofisticadas.
Os objetos encontrados geralmente consistiam de quatro a dez ossos que pertenciam a um único indivíduo. A maioria deles teria sido enterrada novamente, embora os pesquisadores considerem que inicialmente os gravetos foram colocados na vertical. A datação por radiocarbono permitiu determinar que as vértebras pertencem a pessoas enterradas no início e meados do século XVI, embora as vértebras tenham sido colocadas em varetas cerca de 40 anos depois do sepultamento, coincidindo com a época da chegada dos espanhóis à região, nos anos 30 do mesmo século.
© Foto / American Association for the Advancement of Science (AAAS) / C. O’SHEAUma amostra dos 192 conjuntos de vértebras humanas encontradas no Peru
Uma amostra dos 192 conjuntos de vértebras humanas encontradas no Peru - Sputnik Brasil, 1920, 02.02.2022
Uma amostra dos 192 conjuntos de vértebras humanas encontradas no Peru
"É a prova de seu compromisso de longo prazo com os mortos", disse à National Geographic o arqueólogo da Universidade de East Anglia, no Reino Unido, Jacob Bongers, que liderou o estudo. "Eles tentaram reconstruir seus mortos; eles pegaram as partes de seus mortos e tentaram reuni-las novamente", acrescentou.
O pesquisador especificou que as vértebras foram encontradas em inúmeros locais funerários, de modo que a prática poderia ter se estendido a várias comunidades, dada a importância cultural da integridade do corpo do morto.
Nesse contexto, os pesquisadores estimam que a prática poderia ser uma "resposta" aos saques dos invasores espanhóis, que muitas vezes profanavam e alteravam a integridade dos túmulos e espalhavam os restos mortais dos povos subjugados para retirar o ouro e a prata de suas tumbas.
"Era muito importante para essas pessoas manter conexões de longo prazo com seus mortos, o que ia contra o que os europeus tentavam incutir", disse Bongers à Science.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала