Pessoas usando máscaras de proteção caminham por rua em Paris, França, 27 de maio de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Sociedade e cotidiano
As principais notícias, reportagens e artigos sobre sociedade e a rotina cotidiana.

NASA expande sistema de telescópios e agora consegue rastrear asteroides por todo o céu (FOTOS)

© Foto / El Sauce ObservatoryEngenheiros chilenos instalam o telescópio ATLAS no observatório El Sauce
Engenheiros chilenos instalam o telescópio ATLAS no observatório El Sauce - Sputnik Brasil, 1920, 31.01.2022
Nos siga noTelegram
O complexo sistema operado pelo Instituto para Astronomia (IfA, na sigla em inglês) da Universidade do Havaí, nos Estados Unidos, recebeu a ajuda de dois novos telescópios no Hemisfério Sul.
Chamado de Sistema de Último Alerta de Impacto Terrestre de Asteroide (ATLAS, na sigla em inglês) o aparelho era formado por dois telescópios no Havaí, no Hemisfério Norte, e agora o total chegou a quatro, com a adição de estruturas no Chile, no observatório El Sauce, e na África do Sul, na Estação de Observação de Sutherland.

"Um asteroide que vai se chocar com a Terra pode chegar a qualquer momento e de qualquer direção, por isso o ATLAS monitora todo o céu, todo o tempo", disse o investigador chefe do ATLAS, John Tonry, em entrevista ao Phys.org.

Com o término das obras e testes operacionais nos telescópios do Hemisfério Sul, agora o sistema ATLAS é capaz de rastrear todo o céu a cada 24 horas. A chegada dos dois novos telescópios possibilita que o sistema monitore o céu enquanto faz dia no Havaí. O ATLAS é o primeiro sistema no mundo capaz de fazer um monitoramento completo do céu em apenas um dia.
O ministro Blade Nzimande saudou a chegada do novo telescópio de rastreio de asteroides na África do Sul, parte do projeto ATLAS financiado pela NASA. ATLAS-Sutherland já detectou dois novos asteroides!
A partir de agora o ATLAS é capaz de detectar asteroides com diâmetro de 20 metros, o suficiente para destruir uma cidade, com 24 horas de antecedência. Já asteroides maiores, com diâmetro superior a 100 metros, são mais fáceis de detectar e podem ser avistados até três semanas antes.
De acordo com especialistas, a colisão com a Terra de um asteroide de 100 metros causaria uma destruição cerca de dez vezes maior do que a erupção do vulcão Tonga, no oceano Pacífico.
Imagem de satélite da ilha Nomuka após erupção do vulcão Hunga Tonga-Hunga Haapa, em Tonga, 20 de janeiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 22.01.2022
Sociedade e cotidiano
Erupção do Tonga foi 500 vezes mais potente que bomba atômica em Hiroshima de 1945, dizem cientistas
O conjunto de telescópios, com as duas unidades do Havaí, está em funcionamento desde 2017 e faz parte dos investimentos da NASA na melhora do rastreio de objetos perto da Terra (NEO, na sigla em inglês). Até hoje o sistema já detectou mais de 700 asteroides e 60 cometas.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала