- Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

'Banidos acenos à Venezuela': como chapa com Alckmin impacta a diplomacia de eventual governo Lula?

© Folhapress / Mateus Bonomi/AgifO ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante coletiva de imprensa realizada em Brasília, nesta sexta-feira
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante coletiva de imprensa realizada em Brasília, nesta sexta-feira - Sputnik Brasil, 1920, 26.01.2022
Nos siga noTelegram
Se voltar ao Palácio do Planalto, Lula terá que lidar com a bipolaridade entre EUA e China. Como será a política externa de um eventual terceiro mandato do petista? E quem poderá comandar esse barco?
Em ano de eleições presidenciais no Brasil, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva lidera as intenções de votos e apresenta menor rejeição entre os candidatos. De acordo com as pesquisas dos institutos Quaest/Genial, XP/Ipespe e Exame/Ideia, Lula tem entre 41% e 45% das intenções de voto no primeiro turno, contra 23 a 24 pontos percentuais do atual presidente, Jair Bolsonaro.
O desempenho de Lula leva grupos de interesse a não mais debaterem qual será o seu candidato, mas sim a disputar a formulação do programa de governo do petista em áreas como economia e defesa.
Mas a política externa também é um campo em disputa, principalmente pela sua influência no ambiente de negócios e nas relações entre o Brasil e seu principal parceiro comercial, a China.
Lula é afeito à política externa e gosta de recordar momentos de seu governo, como a participação do Brasil nas negociações do acordo nuclear iraniano, ou quando foi chamado pelo então presidente dos EUA, Barack Obama, de "o cara".
© AP Photo / Eric Feferberg / PoolOs então presidentes de Brasil e EUA, Luiz Inácio Lula da Silva e Barack Obama, se cumprimentam durante encontro do G20 na Coreia do Sul (arquivo)
Os então presidentes de Brasil e EUA, Luiz Inácio Lula da Silva e Barack Obama, se cumprimentam durante encontro do G20 na Coreia do Sul (arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 26.01.2022
Os então presidentes de Brasil e EUA, Luiz Inácio Lula da Silva e Barack Obama, se cumprimentam durante encontro do G20 na Coreia do Sul (arquivo)
Mas a política externa lulista também foi marcada por momentos polêmicos, como a aproximação comercial com a Venezuela e a garantia de asilo político ao italiano, acusado de terrorismo em sua terra natal, Cesare Battisti.
Caso volte ao poder depois de mais de uma década, Lula vai apostar na reedição de uma política que considera bem-sucedida ou trará ideias novas para a arena internacional?
De acordo com o Dawisson Belém Lopes, professor de política internacional e comparada na Universidade Federal de Minas Gerais e pesquisador sênior do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI), a política externa petista está fadada a se adaptar às novas configurações do sistema internacional.
"Quando o Lula assume, em 2003 [...] havia a crença de que o mundo estivesse se tornando mais multipolar. Uma crença, bem fundamentada em estatísticas, de que os países do Sul global estavam emergindo e haveria novos polos de poder, capazes de desafiar a hegemonia dos EUA", lembra Belém Lopes.
O contexto atual, no entanto, é de crescente bipolaridade entre EUA e China, acredita o pesquisador.

"O mundo bipolar dá menos margem de manobra. Num eventual governo Lula o Brasil vai formular sua política externa com maior constrangimento", acredita o pesquisador.

A boa notícia é que o Brasil tem experiência em lidar com cenários internacionais tensionados pela bipolaridade. Belém Lopes lembra que, durante a Segunda Guerra Mundial, o então presidente Getúlio Vargas aproveitou a posição estratégica do Brasil para realizar uma barganha entre EUA e Alemanha, obtendo vantagens de ambos países.
© Mandel NganO presidente dos EUA, Joe Biden, encontra-se com o presidente da China, Xi Jinping, durante uma cúpula virtual na Sala Roosevelt da Casa Branca em Washington, DC, em 15 de novembro de 2021
O presidente dos EUA, Joe Biden, encontra-se com o presidente da China, Xi Jinping, durante uma cúpula virtual na Sala Roosevelt da Casa Branca em Washington, DC, em 15 de novembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 26.01.2022
O presidente dos EUA, Joe Biden, encontra-se com o presidente da China, Xi Jinping, durante uma cúpula virtual na Sala Roosevelt da Casa Branca em Washington, DC, em 15 de novembro de 2021
''Uma possibilidade é trazer de volta esse modelo e o Brasil adotar uma política pendular'', apostou Belém Lopes. ''O custo de tomar um partido claro é muito alto.''

Back to Bahia

Apesar da bipolaridade entre superpotências econômicas, a principal tarefa da nova política externa brasileira será reconstruir as relações com os seus vizinhos.
Após anos de entusiasmo em relação a projetos de integração regionais, o Brasil de Bolsonaro se retirou de importantes iniciativas, como a CELAC e a UNASUL.
© Folhapress / Johis AlarcónSede da UNASUL, em Quito: países da região não puderam chegar a um consenso em relação à participação da Venezuela na organização, levando a sua paralisação
Sede da UNASUL, em Quito: países da região não puderam chegar a um consenso em relação à participação da Venezuela na organização, levando a sua paralisação - Sputnik Brasil, 1920, 26.01.2022
Sede da UNASUL, em Quito: países da região não puderam chegar a um consenso em relação à participação da Venezuela na organização, levando a sua paralisação
Para Belém Lopes, "o Brasil deve reclamar para si um papel de maior liderança, de ajudar a região a empreender projetos regionais, mesmo que envolvam governos de esquerda e centro direita".
Nesse sentido, uma eventual política externa lulista em 2023 fará uma "reedição do que vimos há quinze anos".
"O Lula é beneficiado pelo fato de que [...] temos uma retomada da esquerda latino-americana, diferente: uma esquerda renovada, menos bolivariana, mais liberal, com uma mescla de agendas novas, de direitos civis e energia verde. Uma esquerda mais light, que compõe com o centro", resume o professor.

Tucano vermelho

A composição com o centro poderá ser a tônica da política interna Luiz Inácio Lula da Silva. Ainda em pré-campanha, o petista aponta para uma chapa com seu ex-rival e ex-tucano Geraldo Alckmin.
Apesar de ainda não estar consumada, em entrevista no dia 19 de janeiro Lula defendeu a aliança, dizendo que "da minha parte não existe nenhum problema em fazer aliança com Alckmin e ter ele de vice".
© Folhapress / Zanone FraissatO ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT)
O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) - Sputnik Brasil, 1920, 26.01.2022
O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT)
Para Belém Lopes, a chapa com Alckmin "impõe certos limites para a diplomacia de um terceiro governo Lula".

"Na minha opinião, fica banida qualquer hipótese de que a diplomacia brasileira tenha conotações mais socialistas, de aproximação com países como Venezuela", declarou o professor. "Não dá para fazer acenos simpáticos ao [presidente da Nicarágua] Daniel Ortega, isso feriria de morte a turma que está junto no barco para eleger o Lula."

Segundo ele, o Itamaraty será fundamental para dirimir alguns "conflitos fáceis de se antecipar, como o entre a Secretaria de Relações Internacionais do Partido dos Trabalhadores (PT) [...] e a coalisão que se forma em torno do ex-presidente".

Quem assina embaixo?

Os anos desde a saída de Lula do Palácio do Planalto modificaram não só o sistema internacional, mas também a assessoria internacional do presidente.
Belém Lopes lembra que alguns nomes de peso da política externa petista, como Marco Aurélio Garcia e Ana Maria Stuart, lamentavelmente já não estão entre nós. A Secretaria Internacional do partido, no entanto, conta com figuras relevantes, como Valter Pomar.

"Mas o alfa e ômega desse projeto é o Celso Amorim. Ele é quem está assinando os documentos e é a grande figura que assessora o Lula", assegura o especialista.

Celso Amorim foi ministro de Lula durante seus dois mandatos, entre 2003 e 2010, e foi eleito o melhor chanceler do ano em 2009 pela revista norte-americana Foreign Policy.
© AP Photo / Vahid SalemiChanceler brasileiro Celso Amorim conversa com o presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad em 2010
Chanceler brasileiro Celso Amorim conversa com o presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad em 2010 - Sputnik Brasil, 1920, 26.01.2022
Chanceler brasileiro Celso Amorim conversa com o presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad em 2010
Quando perguntado se assumiria novamente a chefia do Itamaraty, em recente entrevista à agência de notícias Reuters, Amorim disse que "atravessaremos essa ponte quando chegarmos nela".
Mesmo que Amorim não seja chanceler em 2023, a nomeação para o cargo deverá passar pelo seu crivo, acredita Belém Lopes.

"Ele pode indicar uma mulher e fazer história, porque nunca houve uma chanceler mulher no Brasil, nem uma ministra da Defesa, nem uma embaixadora em Washington", notou o especialista.

A nomeação do chanceler aponta que, de fato, a política externa de um eventual governo Lula será uma diplomacia pendular: oscilando entre ser uma reedição de si mesma e construir uma nova história.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала