Pessoas usando máscaras de proteção caminham por rua em Paris, França, 27 de maio de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Sociedade e cotidiano
As principais notícias, reportagens e artigos sobre sociedade e a rotina cotidiana.

Arqueólogos divulgam IMAGENS de feto preservado dentro de múmia egípcia

© Foto / B. Bajerski / The National Museum of WarsawExame radiológico da "Senhora Misteriosa" encontrada em túmulos reais em Tebas, no Alto Egito. A múmia de uma mulher grávida, teria vindo da elite da comunidade tebana e foi cuidadosamente mumificada, envolta em tecidos e equipada com um rico conjunto de amuletos
Exame radiológico da Senhora Misteriosa encontrada em túmulos reais em Tebas, no Alto Egito. A múmia de uma mulher grávida, teria vindo da elite da comunidade tebana e foi cuidadosamente mumificada, envolta em tecidos e equipada com um rico conjunto de amuletos - Sputnik Brasil, 1920, 25.01.2022
Nos siga noTelegram
Arqueólogos apresentaram, ainda no ano passado, a descoberta de um feto mumificado dentro do abdômen de sua mãe antiga egípcia mumificada.
Conhecida como Senhora Misteriosa, a mulher mumificada no Egito viveu há mais de 2.000 anos, mas quem era e como morreu ainda é um mistério. Entretanto, hoje já se sabe como o feto foi preservado.
De acordo com a ScienceAlert, uma nova pesquisa do Projeto Múmia de Varsóvia, publicada no Journal of Archaeological Science, indica que a preservação ocorreu através da acidificação do corpo da mulher enquanto ela se decompunha.
"O feto permaneceu no útero intocado e começou a, digamos, 'conservar'. Não é a comparação mais estética, mas transmite a ideia", explica a equipe de pesquisa, liderada pela bioarqueóloga da Universidade de Varsóvia, na Polônia, Marzena Ozarek-Szilke e pelo arqueólogo da Academia de Ciências Polonesa Wojciech Ejsmond.
"O pH do sangue em cadáveres, incluindo o conteúdo do útero, cai significativamente, tornando-se mais ácido, as concentrações de amônia e ácido fórmico aumentam com o tempo. A colocação e preenchimento do corpo com natrão [uma mistura de sal coletada de leitos de lagos secos] limitou significativamente o acesso de ar e oxigênio. O resultado final é um útero quase hermeticamente fechado contendo o feto."
Um feto foi preservado dentro de uma múmia egípcia porque 'conservou', dizem os cientistas
A questão de saber se o que eles encontraram era realmente um feto foi colocada pela radiologista da Universidade do Cairo, no Egito, Sahar Saleem, que escreveu uma resposta à descoberta inicial. Ela observou que nenhum osso pode ser detectado nos exames da múmia e, portanto, a identificação de um feto deve ser inconclusiva.
No entanto, os ossos fetais são muito pouco mineralizados durante os dois primeiros trimestres, o que significa que são difíceis de detectar em primeiro lugar após passarem por processos tafonômicos (ou preservação). Ossos fetais até são difíceis de encontrar durante as escavações arqueológicas.
Além disso, os processos de acidificação que teriam ocorrido dentro do cadáver da Senhora Misteriosa à medida que seu corpo se decompunha teriam desmineralizado ainda mais os já delicados ossos fetais.
"Esse processo de desmineralização óssea em um ambiente ácido pode ser comparado a um experimento com um ovo", escrevem os pesquisadores. "Imagine colocando um ovo em uma panela cheia de ácido. A casca do ovo está se dissolvendo, deixando apenas o interior do ovo [clara e gema] e os minerais da casca dissolvidos no ácido."
A razão pela qual o corpo da Senhora Misteriosa e o corpo do feto são diferentes a esse respeito é porque eles mumificaram de maneira diferente. A senhora foi mumificada usando natrão, uma mistura de sal natural que os antigos egípcios usavam para secar e desinfetar os corpos. O feto, em seu útero selado, mumificou no ambiente ácido resultante.
Conservadores do Museu e Galeria de Perth limpando o sarcófago da múmia Ta-Kr-Hb de 3.000 anos - Sputnik Brasil, 1920, 10.01.2022
Sociedade e cotidiano
Análise detalhada desvenda mistério da 1ª múmia grávida
Além disso, os minerais lixiviados dos ossos do feto teriam sido depositados nos tecidos moles do próprio feto e no útero ao redor dele, resultando em um conteúdo mineral maior do que o esperado.
Os resultados sugerem que talvez outras múmias grávidas possam estar escondidas à vista de todos em outras coleções de museus. As varreduras de múmias geralmente identificam apenas ossos e amuletos enfiados dentro de seus invólucros.
A pesquisa pode ajudar arqueólogos e antropólogos a descobrir por que o feto foi deixado intacto quando os outros órgãos internos da Senhora Misteriosa foram removidos para o processo de mumificação.
"Talvez tenha algo a ver com crenças e renascimento na vida após a morte", disse Ozarek-Szilke. "Ainda é difícil tirar conclusões, pois não sabemos se esta é a única múmia grávida. Por enquanto, é definitivamente a única múmia egípcia grávida conhecida."
A análise da equipe também determinou que, devido à posição do feto e à condição de fechamento do canal de parto, a mulher não morreu no parto. Análises anteriores descobriram que a Senhora Misteriosa tinha entre 20 e 30 anos quando morreu, e sua gravidez estava entre 26 e 30 semanas.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала