Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Ex-chefe da OTAN diz que Ucrânia só vai se juntar ao bloco quando 'inferno congelar'

© Sputnik / Mikhail Markiv / Abrir o banco de imagensBandeiras da Ucrânia e da OTAN (foto de arquivo)
Bandeiras da Ucrânia e da OTAN (foto de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 23.01.2022
Nos siga noTelegram
Jaap de Hoop Scheffer era o secretário-geral da OTAN em 2008, quando o bloco anunciou que a Ucrânia "iria se tornar um país membro".
Em entrevista ao Financial Times, publicada neste domingo (23), Scheffer diz que não vê a Ucrânia se tornando parte da OTAN tão cedo.

"Em um futuro próximo ou distante, eles [os ucranianos] não vão se tornar membros da OTAN. Eu acredito que todo o grupo que estava em volta da mesa em Budapeste sabia disso. Já era claro naquela época, nos olhos dos que eram contrários [à Ucrânia se tornar um país membro], que isso só aconteceria quando o inferno congelasse. Não existia nenhum limite de tempo", disse o ex-secretário.

Relembrando a decisão tomada em Budapeste, na Hungria, durante a cúpula da OTAN em 2008, Scheffer considera que ter feito o convite à Ucrânia, sem existir uma real oportunidade naquele momento, foi uma "concessão infeliz".

"A OTAN está em apuros porque dissemos à Ucrânia que eles poderiam entrar na casa, mas não na varanda. É feio fazer concessões [...] e a OTAN vive com essa concessão desde então", afirmou Scheffer.

O ex-secretário também afirmou na entrevista que é favorável à decisão do bloco de não ceder aos pedidos do governo da Rússia de bloquear a entrada de Kiev na OTAN.
Nos últimos meses a Rússia vem sendo acusada por países do ocidente de planejar uma invasão à Ucrânia. O Kremlin nega as acusações e justifica que tem todo o direito de movimentar tropas dentro de seu próprio território e responde que tais discursos têm o objetivo de encobrir a crescente militarização perto das fronteiras russas pela própria OTAN, incluindo na Ucrânia, que não é membro oficial.
Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken durante visita à Islândia - Sputnik Brasil, 1920, 23.01.2022
Panorama internacional
Blinken: EUA acreditam que imposição de sanções à Rússia não vai surtir efeito de dissuasão agora
Em 17 de dezembro, Moscou publicou projetos de acordo para reformular a segurança europeia, propondo, entre outras medidas, o fim da expansão da OTAN para leste, incluindo para a Ucrânia, e a não instalação de mísseis, armas nucleares ou meios militares perto das fronteiras russas e dos países da Aliança Atlântica.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала