Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Embaixada da China pede que EUA parem com suspensões 'irracionais' de voos chineses

© AP Photo / Ng Han GuanAeronave da China Southern Airlines pousa, durante voo de teste do novo Aeroporto Internacional de Pequim, no dia em 13 de maio de 2019
Aeronave da China Southern Airlines pousa, durante voo de teste do novo Aeroporto Internacional de Pequim, no dia em 13 de maio de 2019 - Sputnik Brasil, 1920, 22.01.2022
Nos siga noTelegram
O porta-voz da embaixada da China nos Estados Unidos, Liu Pengyu, criticou, nesta sexta-feira (21), a decisão do governo Joe Biden de suspender voos de companhias aéreas chinesas do território norte-americano para o país asiático.
Ele afirmou à Sputnik que a medida "não é razoável" e que "as interrupções precisam ter um fim".
Foram afetados voos das companhias chinesas Xiamen Airlines, China Southern Airlines Company e Air China, a partir do dia 30 de janeiro.
Segundo Biden, a suspensão dos 44 voos dos EUA para a China tem o objetivo de conter a propagação do novo coronavírus.

"É muito irracional que os EUA suspendam os voos das companhias aéreas chinesas. Pedimos aos EUA que parem de interromper e restringir voos normais de passageiros operados pelas companhias aéreas chinesas", disse Liu Pengyu.

O governo chinês cancelou recentemente vários voos dos EUA com destino à China devido a um aumento do número de passageiros detectados com resultado positivo para a COVID-19.
Foram exatamente 44 voos suspensos pela Autoridade de Aviação Civil da China realizados por companhias americanas, no dia 19 de janeiro.
Segundo o porta-voz da embaixada, a política foi aplicada igualmente às companhias aéreas chinesas e estrangeiras, "de maneira justa e transparente".
Liu destacou que a decisão do governo chinês ajudou a bloquear efetivamente a disseminação do coronavírus em meio a uma escalada da quantidade de casos importados para a China.
Pessoas formam fila para realizar testes de COVID-19 em Pequim, na China, em 16 de janeiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 17.01.2022
Propagação e combate à COVID-19
China descobre Ômicron em carta vinda do Canadá após 1º caso da variante em Pequim
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала